D+0, D+1, D+2

Direto ao Ponto

D+0, D+1, D+2

D+0 (ou D0), D+1 (ou D1), D+2 (ou D2) são prazos de resgate de investimentos, considerando apenas dias úteis. As siglas representam a quantidade de dias para o dinheiro cair na conta do investidor.

O que é resgate D+0, D+1, D+2?

D+0 significa zero dias para o resgate. Ou seja: o dinheiro cai na conta no mesmo dia em que é encerrada a aplicação. 

D+1 representa um prazo de um dia útil para o dinheiro resgatado cair na conta. Por exemplo, se o investidor encerra a aplicação na segunda-feira, a quantia em questão cai em sua conta na terça. Se resgata em uma sexta-feira, cai na segunda. 

Na mesma lógica, D+2 se refere ao prazo de dois dias úteis para o resgate e D+30, 30 dias úteis para o resgate. 

Além dos investimentos, a sigla D+ também é usada para descrever o tempo de compensações bancárias e transferências. Uma TED tem o prazo de D+0, enquanto o DOC tem o prazo de D+1. 

Em inglês, o D é substituído por T, que se refere a “transaction” (transação, em inglês). 

Mais ou menos liquidez 

Quanto menos dias necessários para a compensação, mais alta é a liquidez do ativo em questão.  

A compra e venda de ações, e de demais produtos de renda variável à vista, dura dois dias úteis para ser compensada. 

Geralmente os fundos de investimento têm prazos mais longos, de 30 dias, mas podem chegar a 60 e 90 dias úteis. Isso acontece porque o resgate de fundos depende do prazo de cotização e do de liquidação. 

O prazo de cotização é o tempo que o fundo leva para transformar a cota em dinheiro e dar saída ao cotista. O prazo de liquidez é o tempo que leva para o dinheiro cair na conta do investidor. Somados, eles resultam no prazo de resgate identificado como D+ na lâmina do fundo. 

O prazo de resgate deve sempre ser informado ao investidor, que deve considerar a liquidez antes de fazer a aplicação. 

Segundo especialistas, a reserva de emergência deve ser investida apenas em instrumentos de renda fixa de liquidez diária, ou seja, de prazo D+0, e que podem ser acessados imediatamente caso necessário. 

D+0, D+1, D+2: Como tudo começou 

A primeira regra de liquidação nos Estados Unidos foi adotada em 1975. Antes disso, a duração da transação era decidida entre o comprador e o vendedor do ativo, já que a transferência era manual, com entrega física do certificado de propriedade da ação. Até que o certificado fosse entregue, o pagamento não era finalizado.  

Com a mudança nos preços dos ativos cada vez mais dinâmica, tornou-se necessário o estabelecimento de um prazo para a conclusão do negócio. Dessa forma, em 1975, a SEC (órgão regulador do mercado nos EUA) determinou o prazo de cinco dias úteis para a liquidação do negócio. Em 1993, com o avanço da internet, a SEC encurtou este prazo para três dias úteis. Em 2017, o prazo caiu para dois dias úteis. 

Glossário  Finanças Pessoais Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto

Ativo financeiro

Ativo financeiro, ou simplesmente ativo, é o seu investimento, ou seja: um produto financeiro que você pode negociar. Há diversos ativos no mercado, como ações, títulos públicos e privados.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar

Isabella Carvalho

Publicado em 07.dez.2021 às 18h54

Carteira digital, casamento e reforma da casa: para onde o consumidor brasileiro está olhando

Estudo mostra quais setores estão em alta e como o dinheiro está se tornando cada vez mais virtual

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Redação IF

Atualizado em 07.dez.2021 às 12h04

Poupança deve voltar a ter rendimento pela regra antiga após reunião do Copom; entenda como funciona e onde investir

Com uma Selic acima de 8,5% ao ano, poupança passará a ter retorno fixo de 0,5% ao mês + TR, ou 6,17% ao ano. Mesmo rendendo mais, aplicação segue perdendo para a inflação

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 16h17

Saques na poupança superam depósitos em R$ 12,3 bilhões em novembro

Foi o quarto mês seguido com saída líquida de recursos da modalidade de investimento

Direto no Bolso

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h41

Não perca controle dos seus gastos no fim de ano

Especialistas dão dicas de como não estourar o orçamento nas festas de Natal e Ano-Novo

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses