Hedge

Direto ao Ponto
Hedge

Hedge significa proteção. Fazer hedge é uma estratégia de proteção contra variações de preços no mercado financeiro.

O termo hedge começou a ser utilizado no século XIX na produção agrícola. O produtor e o comprador fixavam preços futuros das commodities, assim, eles garantiam a compra e vende dos produtos por um preço justo, independente da bolsa estar em alta ou baixa. Estratégia que na época também foi chamada de “cerca e limite”.

Quais são os tipos?

Existem 5 tipos: cambial, natural, de commodities, de ações e em ETFs. Vamos a eles:

Hedge cambial

É mais utilizado por quem têm relações comercias com empresas estrangeiras, mais especificamente com o dólar. Tanto para compra quanto na venda, ele é interessante para os negócios estabelecerem um contrato de hedge onde o valor da moeda seja fixo, evitando assim perdas considerando as variações cambiais.

Hedge natural

Esse tipo de é utilizado por empresas que trabalham com exportação e operam ou tem ativos em dólar. Em um cenário de desvalorização da moeda nacional, as ações dessas empresas irão subir, já que sua receita é constituída em moeda estrangeira.

Hedge de commodities

Esse é o mais antigo que existe. É usado para fixar preços de commodities em preços justos para venda em datas futuras, assegurando que o produtor evite prejuízos e se torne mais independente da variação do mercado.

Hedge de ações

Investir em ações implica risco, e, para minimizar isso, existe o hedge feito tendo como base as opções de compra ou venda. Estes dois ativos (ações e opções) possuem relação inversa, ou seja, quando um sobe o outro cai. Então, é mais fácil se proteger de perdas.

Hedge em ETFs

Esse tipo funciona como no mercado de opções. Quem compra um ETF vai lucrar com a alta do índice. O hedge se configura quando o investidor vende o ETF, para comprá-la depois por um preço mais baixo, lucrando com a diferença.

Colaborou Anne Dias

Glossário  Investimentos Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Ifix

O Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) foi criado em 2012 pela B3 para mostrar o retorno médio dos fundos imobiliários.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
NFTs

NFTs (tokens não fungíveis) são certificados de propriedade de um ativo que não pode ser substituído nem compartilhado.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
LIG

LIG (Letra Imobiliária Garantida) é um ativo de renda fixa destinado a financiar o mercado habitacional. …

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Acionista

Acionista é o investidor pessoa física ou jurídica que tem uma ou mais ações – ou até frações - de uma empresa.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Alavancagem

Alavancagem é o empréstimo tomado por investidores e empresas que queiram movimentar um valor superior ao que se tem em conta.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Valor Econômico Atualizado em 19.ago.2022 às 06h41
Megaleilão do Tesouro pressiona mercado

Emissão de R$ 16,7 bi em LTNs e NTN-Fs, concentrada em títulos mais longos, resultou em taxas mais altas no mercado de juros

André Franco Atualizado em 19.ago.2022 às 06h34
Meme coins: vale a pena investir?

Nos ciclos de alta, é normal que ‘versões B’ de uma criptomoeda sejam criadas

Mário Mesquita Atualizado em 19.ago.2022 às 06h33
Opinião: A economia brasileira em 2022 e 2023

Dados fatores internos e externos, não é baixa a probabilidade de o PIB retroceder no ano que vem

Redação IF Publicado em 18.ago.2022 às 16h51
Juros futuros fecham em alta após megaleilão do Tesouro

Os juros futuros encerraram o pregão desta quinta-feira (18) em alta, na contramão dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano

Anne Dias Atualizado em 18.ago.2022 às 17h52
Conheça a história de uma das mulheres mais importantes do mercado financeiro

Na estreia do Perfil IF, Roberta Anchieta fala com ternura como conquistou a diretoria de administração fiduciária do Itaú Unibanco

Itaú Meu Negócio