Credit default swap (CDS) ou Risco-país

Direto ao Ponto
Credit default swap (CDS) ou Risco-país

CDS (credit default swap) é a troca de risco de crédito. O CDS é um contrato derivativo que funciona como um seguro para quem empresta dinheiro. Por levar em sua precificação o risco de inadimplência do tomador do empréstimo, o CDS é muito usado como termômetro para o risco de um país.

O credit default swap (CDS) é uma forma de se trocar o risco de crédito com outra pessoa. Quem empresta o dinheiro compra um CDS como uma forma de seguro. Caso o tomador do empréstimo não pague o que deve, o emissor do CDS reembolsa quem emprestou o dinheiro. 

Um CDS pode ser feito em diversos contextos, mas os mais comuns são de hipotecas e de títulos de dívida de países emergentes, de cidades e de empresas. O emissor do credit default swap arca com a dívida caso eventos drásticos aconteçam, como o banco emissor ir à falência, ou o país declarar moratória. Apesar de extremos, estes casos são vistos com certa frequência no mercado financeiro.

As características de um credit default swap

Existem diversos prazos de credit default swap, entre um a dez anos, mas os mais negociados no caso de países são os de cinco anos. O preço dos contratos também muda conforme as condições financeiras. A venda é feita no mercado de balcão em negócios que envolvem investidores institucionais e bancos. A remuneração do emissor do CDS varia de acordo com a percepção de risco envolvendo o empréstimo. Caso um calote pareça mais provável, o CDS fica mais caro. Esta precificação da curva de juros do CDS é feita em pontos base, e um ponto base equivale a 0,01%. 

Como tudo começou 

credit default swap foi desenvolvido pelo banco americano JP Morgan nos anos 1990 para reduzir o risco de sua carteira de crédito. Tudo começou com um derramamento de óleo no Alasca, em 1989, por um navio da Exxon. A empresa precisou se preparar para pagar os custos de multas e indenização relativos ao acidente ambiental. A petroleira procurou o JP Morgan para conseguir uma linha de crédito de cerca de US$ 5 bilhões. 

O problema é que, de acordo com normas financeiras, o banco teria de se proteger caso a Exxon não conseguisse pagar, comprometendo uma grande parte do caixa. Para reduzir a exposição ao risco, o JP Morgan vendeu este risco de crédito ao Berd (Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento). Caso a Exxon não pagasse o empréstimo, o Berd arcaria com o prejuízo. Em troca, o JP Morgan remunerava o Berd com uma taxa. O dinheiro do empréstimo saiu dos caixas do JP Morgan, mas o banco não teve mais que fazer uma reserva para se proteger de um possível calote. Desde então, a operação se popularizou até ser um dos fatores-chave da crise financeira de 2008. 

Por que o CDS é importante? 

credit default swap ligado ao título de dívida de um país é tido pelo mercado financeiro como uma forma de medir o risco de se investir ali, pois oscila de acordo com a percepção de risco em torno do seu endividamento e do seu desempenho econômico. 

Se a pontuação do contrato sobe, é um sinal negativo para o país, já que investidores estão receosos quanto à saúde financeira local e cobram mais pelo CDS. Se a pontuação cai, é um bom sinal, já que os investidores veem uma maior probabilidade de ele quitar suas dívidas e cobram menos pelo credit default swap. 

credit default swap de cinco anos, também chamado de risco-país, é o contrato mais utilizado para proteção contra calotes. Só para você ter uma ideia, em agosto de 2021, o CDS de cinco anos do Brasil estava em 183 pontos, o que representa uma chance de 3,05% de calote. 

Nos últimos anos, o risco-país brasileiro chegou à máxima de 374,9 pontos em março de 2020, depois de uma mínima de 91,8 pontos em fevereiro de 2020. 

Glossário  Economia Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Balança Comercial

A diferença entre o valor adquirido com as exportações e o valor gasto com as importações em um país é chamado de balança comercial.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Banco Central (BC)

Banco Central é a instituição responsável por gerir o sistema financeiro de um país, protegendo o poder de compra da moeda e a estabilidade da política econômica.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
FED

Federal Reserve Bank (FED) é o Banco Central dos Estados Unidos e é o responsável pela política monetária daquele país.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Teto de gastos

Teto de gastos é um mecanismo que surgiu em 2016 e passou a ser aplicado em 2017, que nasceu com a missão de evitar o aumento da relação dívida pública/PIB. As despesas e os investimentos do governo ficam, assim, limitados aos mesmos valores gastos nos 12 meses anteriores terminados em junho e corrigidos pelo IPCA.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Pro rata

Pro rata, ou pro-rata, é um termo usado no mundo da contabilidade, economia, direito e finanças que indica divisões iguais de um valor. A distribuição de dividendos entre acionistas é um exemplo de pro rata.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

JOTA Publicado em 15.ago.2022 às 13h10
Análise: Planos de governo apontam para regulação de trabalhadores de aplicativos

Candidaturas de Lula e Bolsonaro sinalizam atuar para combater a informalidade de quem atua com apps, diz Fabio Graner, do JOTA

Manhã Inteligente Publicado em 15.ago.2022 às 10h42
Semana com expectativa do mercado de alta na indústria de Brasil e EUA

Saiba os destaques da agenda econômica e o que pode mexer com seu bolso e investimentos

Visão de Líder Atualizado em 15.ago.2022 às 11h00
‘Não tem mágica. Investir é uma maratona, não uma corrida de cem metros’, diz Roberto Setubal no Visão de Líder

Em entrevista exclusiva à Inteligência Financeira, o copresidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, fala sobre as perspectivas e os desafios para o Brasil e o mundo, e conta o que mudou no banco em seus 23 anos como CEO – e o que o banco mudou nele

Denyse Godoy Atualizado em 15.ago.2022 às 09h52
Mercado vê inflação em queda, juros estáveis e PIB maior ao final do ano, diz Focus

Cenário mais positivo está retratado na pesquisa semanal do BC com analistas de instituições financeiras

Valor Econômico Publicado em 14.ago.2022 às 14h30
Conheça oportunidades e tendências para investimentos ‘verdes’

Especialistas dizem que temas como créditos de carbono, bioeconomia e impacto social devem estar cada vez mais presentes nas discussões sobre dinheiro

Itaú Meu Negócio