Itália suspende ChatGPT temporariamente por questões de privacidade de dados

A autoridade italiana afirmou que o ChatGPT também não possui mecanismos para verificação de idade de quem usa a plataforma

A autoridade de proteção de dados pessoais da Itália baniu temporariamente nesta sexta-feira o acesso da plataforma de inteligência artificial ChatGPT a informações de cidadãos italianos.

O Garante per la Protezione dei Dati Personali (GPDP) abriu investigação e diz que não há base legal que justifique a coleta e o armazenamento massivo de dados utilizados para aprimorar o algorítimo do ChatGPT.

A entidade diz que a OpenAI, desenvolvedora da plataforma, precisa comunicar em até 20 dias o que vai fazer para adequar o ChatGPT à legislação dá Itália, sob pena de multa de até 4% das suas receitas globais.

O GPDP afirma que o ChatGPT também não possui mecanismos para verificação de idade de quem usa a plataforma, potencialmente expondo pessoas menores de idade a interações potencialmente nocivas.

Por que o ChatGPT, o Midjourney e o Dall-E são uma nova era na inteligência artificial?

A Itália determinou nesta sexta-feira o bloqueio temporário do ChatGPT.

Um grupo de acadêmicos e executivos do setor de TI, como Elon Musk, divulgou esta semana uma carta pública, que já tem 1.800 assinaturas, pedindo uma pausa no desenvolvimento das novas gerações de inteligência artificial (IA).

E, na quinta-feira, a plataforma Midjourney suspendeu seus testes gratuitos após imagens falsas com o Papa e com ex-presidente Donald Trump viralizarem nas redes.

Mas, afinal, por que o ChatGPT, o Midjourney, o DALL-E e outras ferramentas do tipo são tão diferentes de tudo o que já vimos antes em inteligência artificial?

Essas plataformas, que se popularizaram este ano, adotam a inteligência artificial (IA) generativa. Ou seja, é uma IA que cria de forma autônoma um modelo de linguagem, seja um texto, uma imagem ou um código de programação.

A aptidão para criar uma linguagem é inerente à condição humana – e por isso seu desenvolvimento suscita tantos temores entre líderes globais.

Até então, a inteligência artificial amparada em aprendizado de máquinas era mais restrita e, por isso mesmo, chamada por especialistas de “analítica”, em vez de “generativa”. E, o mais crucial para a rápida adesão pelos usuários às novas plataformas de IA: elas têm interface natural, ou seja, de fácil uso e muitas vezes indistinguíveis de como seria uma atividade humana.

Entenda, abaixo, por que a nova era da IA é tão diferente de todos os avanços anteriores em inteligência artificial:

Relatório do banco americano Goldman Sachs listou as três características fundamentais que distinguem a inteligência artificial dessa nova geração em relação às ferramentas anteriores de aprendizagem de máquinas. São elas:

– A fagulha da criação: As novas ferramentas de IA, como ChatGPT (texto), DALL-E (imagens) e GitHub Copilot (codificação), são capazes de gerar conteúdos e enredos novos a partir de extratos de conteúdos previamente disponíveis. Esses conteúdos são indistinguíveis de algo criado pelo ser humano. Ferramentas anteriores de IA apenas descreviam ou interpretavam informações já existentes, não criavam conteúdo novo.

– Interface responsiva e natural: A abordagem dessas ferramentas com o usuário é de tanto de compreender seus pedidos, mesmo quando estes são feitos de maneira complexa, como de responder com textos, imagens, áudios e vídeos naturais e contextuais, sem apresentações robóticas.

– Generalizada e não só específica: As respostas e os casos em que as ferramentas podem ser aplicadas são abrangentes, ou seja, não se restringem a situações específicas, como acontecia na IA até então. Isso permite mais interação com outras inovações.

Leia a seguir

Leia a seguir