Recompensa em dinheiro: programas de cashback, com retorno em real, crescem

Programas avançam com o comércio online e com a necessidade de as pessoas buscarem um dinheiro extra. Qual programa é melhor para você?

Cashback, compra online, recompensa em dinheiro
– Ilustração: Renata Miwa

Milhares de brasileiros vêm aderindo ao modelo de compras com cashback. Esta modalidade oferece retorno porcentual imediato em dinheiro. Para especialistas, o crescimento desse tipo de negócio no País vai ganhando o espaço que antes era dos programas de pontos no cartão de crédito ou serviço de milhagem.

Cashback é a devolução ao consumidor de uma parte do valor gasto na compra de produtos e, mais recentemente, nas transações financeiras, sejam de débito, crédito e até investimentos. Introduzido no Brasil de maneira estruturada em 2011, somente agora, uma década depois, o cashback começa a ganhar a preferência entre os instrumentos de fidelização do consumidor.


Para Myrian Lund, educadora financeira da Associação Brasileira de Planejamento Financeiro (Planejar), apesar de atrativo, o uso do cashback precisa ser feito com consciência e planejamento. Ela alerta que é comum o caso de consumidores que, “enfeitiçados” pela ideia de retorno imediato, acabam gastando mais do que deveriam, ou até pagando mais caro por um determinado produto por conta do benefício.

Ainda na opinião da especialista, a presença do cashback foi impulsionada pelo crescimento do e-commerce durante a pandemia e por um serviço que olha para as camadas baixas da sociedade, com consumidores de menor poder aquisitivo.

“Antes, muitos clientes acabavam nem usando as milhas acumuladas, por não ter o suficiente para conseguir viajar com elas. Com o cashback, até as menores compras trazem uma sensação de recompensa”, ressalta Myrian.

O uso do cashback no comércio eletrônico nacional gerou em 2021 um faturamento de R$ 10 bilhões, quase o dobro do registrado em 2020, segundo levantamento da empresa de cupons de desconto e cashback Cuponomia.

“A pandemia fez o e-commerce crescer e puxou o cashback junto. Quem usa conta para os amigos, o que gera um crescimento exponencial”, diz Ivan Zeredo, diretor de marketing da Cuponomia.

Qual programa é melhor para você?

Cashback, pontos no cartão de crédito ou milhas, qual o programa ideal para você? Especialistas explicam como escolher a melhor ferramenta para cada perfil de consumidor.

Imediatista

Para o consumidor que gosta de finalizar a compra e já receber a sua “recompensa”, o mais indicado é o uso dos sistemas de cashback. O alerta é estar atento ao prazo de pagamento do reembolso que varia em cada empresa.

Indeciso

O acúmulo de pontos no cartão de crédito é a melhor opção para quem ainda não sabe como usar o benefício. A modalidade traz mais possibilidades, como troca por produtos e desconto em serviços.

Investidor

Os programas de fidelidade em milhas são recomendados para os clientes que não têm pressa para utilizar o benefício e preferem acumular um volume maior para utilizar em viagens, ou até vendê-las para os sites especializados.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente