Seis passos para começar a investir em 2022

Chegou a hora de colocar no papel aquela meta antiga para organizar as finanças e investir? Vamos te ajudar!

Seis passos para começar a investir em 2022
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • 2021 mostrou que ter uma reserva de emergência é fundamental para os momentos de crise
  • Tenha metas e seja realista com valores e prazos, do contrário, elas serão somente um desejo

Cuidar das finanças e investir está nos planos de muita gente para 2022. Segundo um estudo feito pelo instituto de pesquisa especializado em opinião pública IDEIA, 33% dos brasileiros pretendem guardar dinheiro e fazer investimentos neste ano que começa.  A intenção de investir é maior na faixa etária de 35 a 44 anos: neste grupo 4 em cada 10 pessoas estão planejando aplicar em algum produto financeiro. 

Mesmo estando nas metas de muita gente, começar a investir ainda é uma dificuldade para boa parte dos brasileiros. “Infelizmente, no nosso país, o assunto educação financeira é pouco discutido nas famílias e, principalmente, nas escolas. O brasileiro médio não tem a cultura de se planejar financeiramente e muito menos de se remunerar primeiro, para depois verificar o quanto será o seu custo de vida”, ressalta Marco Harbich, planejador financeiro CFP pela Planejar.  

Pensando em te ajudar nessa jornada, separamos seis passos para que você comece a investir: 

1. Organize suas finanças 

Antes de tudo, você precisa olhar com carinho para as suas finanças, entendendo para onde o dinheiro está indo. Uma planilha, um aplicativo ou anotações em um caderno podem ajudar. O importante é listar todas as despesas e receitas e identificar o que pode ser reduzido. “Liste conta por conta, como água, luz, supermercado, prestação escolar, etc. Caso o saldo seja negativo, com despesas maiores que receitas, você precisa ajustar esse valor cortando gastos ou aumentando sua fonte de renda”, ressalta Marco. 

2. Tenha uma reserva de emergência 

2021 nos mostrou que ter uma reserva de emergência é fundamental para passar por momentos de crise com mais tranquilidade. Por isso, se você ainda não tem dinheiro guardado para eventualidades, é hora de montar sua reserva de segurança. “Essa reserva deverá ser investida em opções com liquidez imediata e perfil conservador, como Tesouro Selic, CDB, DI ou fundo referenciado DI. O ideal é que a reserva cubra pelo menos seis meses do seu custo de vida”, ressalta Marco. 

3. Trace metas 

Seja estruturando a reserva de emergência ou pensando em outros investimentos, você precisa de metas bem traçadas. Coloque em um papel seus objetivos financeiros para o ano que começa. “Essas metas devem ter valores e prazos. Além disso, devem ser atingíveis. Não adianta colocar uma meta muito longe da sua realidade, como “terei R$1 milhão em 2 anos”, se hoje você não tem nada… Seja realista com valores e prazos. Caso contrário, será somente um desejo”, alerta Marco.  

4. Entenda seu perfil de investidor 

Para formar uma carteira de investimento você precisa identificar seu perfil de investidor e sua tolerância ao risco. Se você tem um perfil mais conservador, por exemplo, pode começar a investir em renda fixa ou dedicar uma pequena parcela a ativos mais arriscados. Sabendo seu perfil, fica mais fácil escolher produtos financeiros mais adequados aos seus objetivos e prazos. 

5. Diversifique 

Diversificar é sempre a dica de ouro. Pode parecer repetitivo, mas esse deve ser seu mantra. “Ao investir em diferentes classes de ativos, você pode compensar uma má performance  – ou até mesmo negativa – pelo lucro de outra classe de ativo. Desta forma, diminui o risco total da sua carteira”, explica Marco. 

6. Aprenda sempre 

Por fim, mas não menos importante, se mantenha atualizado. O cenário econômico muda constantemente, e as oscilações de 2022 deverão ser ainda mais fortes. “Novos produtos de investimentos surgem a todo momento também. Certamente o investidor não precisa ser um especialista em investimentos, mas é muito importante entender como eles funcionam e os riscos inerentes a cada um. Desta forma, saberá se faz sentido inserir um certo ativo em sua carteira de investimentos”, ressalta Marco. 


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA