Recorde no número de famílias endividadas: saiba como não fazer parte desta lista

Sete em cada 10 famílias contraíram algum tipo de dívida em 2021

último dia do Feirão do Serasa - balanço Previa-se 6 milhões de negociações. Há 10 dias havia apenas 3 milhões
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • As dívidas estão em pelo menos uma das principais modalidades, como cartão de crédito, cheque especial, crédito pessoal, carnês, financiamento de carro e da casa
  • O melhor caminho para você não se tornar inadimplente é o da organização

O nível de endividamento médio das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos. É o que aponta a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Segundo o levantamento, o último ano apresentou recorde do total de endividados, registrando uma média de 70,9% das famílias brasileiras, enquanto dezembro alcançou 76,3% do total de famílias – patamar máximo histórico já registrado pela CNC. Em 2020, o nível médio de endividamento foi de 66,5%.

“Em 2021, observou-se aumento de 4,4 pontos percentuais no número médio de famílias com dívidas em pelo menos uma das principais modalidades – cartão de crédito, cheque especial, cheque pré-datado, crédito consignado, crédito pessoal, carnês, financiamento de carro e financiamento de casa, entre outras”, destacou relatório da CNC.

Inadimplência tem leve recuo

Apesar do aumento do número de endividados no país, o percentual médio de famílias inadimplentes – com contas ou dívidas em atraso – diminuiu de 25,5% em 2020 para 25,2% em 2021. “No último trimestre do ano, entretanto, o indicador de contas em atraso acirrou, indicando tendência de alta para o início de 2022”, destacou a CNC.

O que você deve fazer?

Dívidas maiores ou menores todos temos. Afinal, quem consegue pagar um apartamento ou um carro à vista, ou mesmo comprar uma geladeira em apenas uma prestação? Poucos. O problema é quando há o atraso no pagamento dessa dívida e você se torna um inadimplente. Para que isso não aconteça, o melhor caminho é o da organização. Uma pesquisa realizada pela fintech Leve com 3.450 funcionários de empresas de vários segmentos e de diferentes regiões do país mostra dados interessantes mostrou que 40% dos colaboradores atrasaram alguma de suas contas no último ano.

Uma maneira que pode te ajudar nessa organização financeira é anotando seus gastos. Tarefa um pouco chata, porém necessária. O ideal é que você registre seu saldo, gastos no cartão, empréstimos, financiamentos, boletos mensais. Com todas as dívidas em uma lista você pode bolar a melhor estratégia para ter tudo sob controle. Isso você pode fazer usando um caderninho ou com ajuda de aplicativos. O importante é fazer.

Com reportagem do G1


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 08h43
Manhã Inteligente Publicado em 30.jun.2022 às 12h06
PIB dos Estados Unidos, investimentos em debêntures, golpes financeiros

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli comentam esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta quinta (30)

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 07h34
Câmara amplia teto do crédito consignado a 45% e autoriza desconto até em programa assistencial

Modalidade de empréstimo desconta imediatamente parte da renda da pessoa para quitar o financiamento

Listas IF Publicado em 29.jun.2022 às 17h13
Como evitar compras por impulso

O que fazer para não gastar sem controle e comprometer seu orçamento? Veja as dicas do Listas IF

Redação IF Atualizado em 02.jul.2022 às 14h44
Golpes financeiros: veja como os fraudadores agem e saiba como dribla-los

Até a filha da Xuxa foi vítima de criminosos; desconfie de ganhos fáceis