Quatro perguntas que você deve fazer antes de tomar um empréstimo

Com juros mais altos, a atenção deve ser redobrada

– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Não deixe que o valor da parcela ultrapasse 20% das despesas mensais
  • Tenha clareza sobre os objetivos do empréstimo e se você realmente precisa do dinheiro

No final de outubro, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, aumentou em 1,5 ponto percentual a Selic, que chegou a 7,75% ao ano. A mudança e o novo indicador influencia muita coisa: desde a remuneração daqueles que investem em títulos do governo até as taxas cobradas em empréstimos. “Quando a Selic sobe, os juros de empréstimos também aumentam”, explica Rogério Nakata, planejador financeiro CFP pela Planejar. Se você está pensando em pegar dinheiro emprestado, redobre a atenção e faça a seguintes perguntas:

1. Você realmente precisa do empréstimo?

Antes de tudo, você precisa ter clareza sobre os objetivos por trás do empréstimo e se realmente esse dinheiro é necessário. “Muitas vezes as pessoas pegam um empréstimo como se ele fosse um bombeiro para apagar incêndios. Antes de tomar essa decisão e assumir o compromisso, entenda se é possível se organizar financeiramente, enxugar gastos e fazer alguns ajustes”, ressalta Rogério Nakata. 

2. Qual é a melhor opção?

Se chegar à conclusão de que você realmente precisa de um empréstimo, é hora de identificar qual a melhor opção. O mercado oferece uma infinidade de modalidades, como consignado, pessoal, imobiliário e consolidado. Para cada situação existe um tipo de empréstimo mais adequado. O consignado, por exemplo, costuma ter taxas menores por ser descontado diretamente da folha de pagamento. Já o imobiliário tem prazos maiores e foi pensado justamente para a compra de imóveis.

3. Quanto ele custará no total?

Depois de identificar o empréstimo que mais se encaixa nos seus objetivos, você precisa fazer os cálculos para saber exatamente o quanto ele te custará. “Verifique a taxa de juros, o número de parcelas, prazos e o quanto você vai precisar pagar no total”, diz Rogério. Simule opções diferentes em instituições diferentes – algumas até permitem que você faça isso online.

4. Como você vai adaptar suas finanças?

Mais importante do que saber o quanto irá pagar é adaptar suas finanças para receber as parcelas do empréstimo com tranquilidade. Rogério faz um alerta: você precisa ter um orçamento muito bem organizado e disciplina para honrar seu compromisso e não se endividar no caminho. “O ideal é que o valor da parcela não ultrapasse 20% das suas despesas mensais. Caso contrário, pode faltar dinheiro para contas básicas ou até mesmo para a pizza do final de semana”, afirma o planejador financeiro.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 12h41
Magalu lança conta digital sem mensalidade e cartão de crédito para empresas

A fintech Magalu anunciou nesta quinta-feira o lançamento de dois produtos, um cartão de crédito corporativo e uma operação de empréstimo pessoal para pessoas físicas

Redação IF Atualizado em 06.maio.2022 às 15h22
Alta da Selic encarece de crédito imobiliário a cheque especial. Entenda

Taxa média de juros no rotativo do cartão saltou de 327% para 355,19% em um ano e agora deve subir mais

Redação IF Publicado em 03.maio.2022 às 15h21
Fintechs querem dar empréstimos com smartphones ou notebooks como garantia

Projeto de lei está na pauta de votações da Câmara dos Deputados esta semana e é um item prioritário da agenda econômica do governo

Redação IF Atualizado em 18.mar.2022 às 09h29
Saque extra do FGTS começa em abril; confira o calendário

Cada trabalhador poderá sacar até R$ 1 mil das suas contas

Gustavo Zanfer Atualizado em 17.mar.2022 às 20h06
Tem dívidas? Corujão Serasa Limpa Nome tem horário de atendimento presencial ampliado em SP

São Paulo capital terá atendimento das 4h às 23h na sexta-feira (18) e das 8h às 20h no sábado (19); mais de 100 dão descontos de até 99% da dívida

Isabella Carvalho Publicado em 09.mar.2022 às 09h00
Meu primeiro imóvel: como escolher a melhor opção de financiamento

Com a alta da Selic, as instituições financeiras devem repassar o aumento para os financiamentos