Carteira digital, casamento e reforma da casa: para onde o consumidor brasileiro está olhando

Estudo mostra quais setores estão em alta e como o dinheiro está se tornando cada vez mais virtual

Hábitos de consumo do Brasileiro em 2021
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • No terceiro trimestre deste ano, o uso de carteiras digitais cresceu 112,4%
  • Agências de matrimônio, buffets, bares e baladas estão em plena retomada
  • No setor financeiro, o destaque será o open banking, com geração de dados mais personalizada

O período de pandemia trouxe diversas mudanças no comportamento das pessoas. Quando o assunto é consumo, não foi diferente. Por um lado, a preocupação com a casa, com o trabalho remoto e até mesmo com o jardim cresceu muito nos últimos meses. Por outro, um movimento mais intenso nas ruas, em bares e restaurantes também está sendo notado. Esses são alguns dos insights publicados na 4ª edição da Análise do Comportamento de Consumo, feita pelo Itaú Unibanco e a Rede, empresa de meios de pagamentos da instituição. 

“Com essa análise, buscamos perceber tendências na forma de pagamento e de como as pessoas estão consumindo seus bens e serviços. A pandemia trouxe uma mudança muito visível: tornou o cidadão, que já era digital, em um consumidor digital. As pessoas passaram a fazer compras de uma maneira diferente, online, e esse é um movimento que não tem volta. As compras no varejo físico serão feitas mais pelo prazer. Houve uma transição do cidadão online para o consumidor online”, ressalta Paula Cardoso, CEO da Rede.

Prova disso é o salto expressivo do uso de carteiras digitais. No terceiro trimestre deste ano, a modalidade, considerando Apple Pay, Google Pay e Samsung Pay, cresceu 112,4% na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior. Das pessoas que pagam com elas, 72% são homens e 28% são mulheres. O ramo que teve mais representatividade no uso das carteiras digitais foi o de alimentação, com aumento de 108,8% no terceiro trimestre, em comparação a igual intervalo do ano anterior — sendo que os restaurantes foram os que mais se destacaram no setor, com salto de 220,3%. 

Pagamento online veio para ficar

De acordo com a análise, o valor total transacionado pelo varejo no terceiro trimestre de 2021 cresceu 27,5% em relação ao mesmo período de 2020 e 11,9% sobre o segundo trimestre deste ano. Já na comparação com 2019, antes da pandemia, o crescimento foi de 34,7%. 

As compras presenciais são as que mais refletem o início da volta “ao normal”. O pagamento em lojas físicas ainda representa a maioria, 78,9%, contra 21,1% no online, mas o digital vem crescendo: registrou um salto de 42,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. “Estamos em um mundo onde o físico e o digital se misturam. O pagamento online, seja por meio de um link ou e-commerce, é um hábito que veio para ficar”, ressalta Paula. 

O levantamento aponta alguns setores que ainda estão em alta: materiais de construção, móveis de escritório, laboratórios e jardinagem. Nesse terceiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2019, pré-pandemia, esses setores cresceram 45%, 22%, 66% e 34% respectivamente.

“As pessoas passaram a cuidar mais da casa, do escritório, do jardim ou de qualquer espacinho de terra disponível. Isso mostra que elas querem viver de outra forma.”

PAULA CARDOSO, CEO DA REDE

O levantamento também identificou alguns ramos emergentes: bicicletas e restaurante online. O primeiro deles teve um crescimento de 58% em relação ao primeiro trimestre de 2019, enquanto os restaurantes online cresceram 428% em valor transacionado. “São mudanças de hábito que observamos por conta da pandemia. Em mobilidade, muitos quiseram evitar transporte público ou serviços compartilhados. A mesma lógica se aplica aos restaurantes”, ressalta Paula. 

A pesquisa também destacou setores com curvas de retomada, como o de agências de matrimônio e buffets — que registrou um crescimento de 80% no terceiro trimestre, comparado com o mesmo período de 2019 — e o de bares e baladas, que deu um salto de 94%. “São setores que percebemos um retorno. Muitas dessas comemorações foram adiadas e agora estão voltando a acontecer. Já no turismo, que também está retomando, a curva de gasto médio aumentou e as pessoas estão optando por destinos nacionais”, explica Paula.

E no futuro?

Na visão da executiva, podemos esperar um consumo cada vez mais digital e menos dependente de cartão. Em um movimento natural, é esperado que o consumidor volte para as ruas e para o pagamento físico, mas o online continuará crescendo. Quando o assunto é finanças e meios de pagamento, a executiva também acredita muito em um futuro com destaque para o open banking e o PIX. “O open banking sem dúvidas vai trazer oportunidades para a geração de dados mais personalizada e assertiva. Já o PIX veio para ficar e trouxe uma mudança de comportamento voltado para o digital”.


Você também pode gostar

Redação IF

Publicado em 24.jan.2022 às 16h51

Custo de vida em São Paulo tem maior alta desde 2015; saiba como organizar as finanças

O aumento foi maior para as pessoas mais pobres: para a classe E, a elevação chegou a 11,38%; na classe A, a alta ficou em 9%

Redação IF

Publicado em 19.jan.2022 às 10h58

Compras globais em redes sociais devem triplicar até 2025, aponta estudo

Aumento deve ser impulsionado principalmente pelos usuários das gerações mais novas

Valor Econômico

Publicado em 31.dez.2021 às 09h27

Varejo e indústria tentam ‘escapar’ da inflação

Supermercados ampliam oferta de marcas regionais mais baratas, e canal de venda direta cresce

Valor Econômico

Publicado em 20.dez.2021 às 08h06

No Natal, 51% dos brasileiros dizem que vão comprar presente somente para familiares mais próximos

De acordo com levantamento do Grupo Consumoteca, 29% vão comprar presentes para alguns familiares mais distantes e amigos

Leonardo Guimarães

Publicado em 15.dez.2021 às 16h55

Atenção: Feirão do Serasa para negociar dívidas termina segunda-feira

Em média, cada brasileiro com nome sujo deve R$ 3.944,65; saiba como não ser mais um nesta lista

Denyse Godoy

Atualizado em 08.dez.2021 às 08h06

Não foi só o iFood: falha em nuvem da Amazon afeta negócios no país

Queda dos serviços da Amazon Web Services na tarde de ontem, nos Estados Unidos, foi sentida por grandes empresas no Brasil

Mais lidas hoje

  1. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 26.jan.2022 às 11h26
    Ferramenta lançada pelo Banco Central permite saber se você tem dinheiro a receber dos bancos

    Segundo o BC, há ao menos R$ 8 bilhões parados nas instituições financeiras – conheça o passo a passo para fazer a consulta e saber se você é credor

  2. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 22.jan.2022 às 12h01
    Neymar compra NFTs por R$ 6 milhões; saiba como funciona esse investimento

    Craque passa a fazer parte de um clube restrito a bilionários, que têm direito a festas particulares

  3. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Publicado em 24.jan.2022 às 08h37
    Cade dá aval para Joesley e Wesley Batista assumirem controle da J&F Participações

    A J&F é a controladora do Banco Original do Agronegócio e do Banco Original

  4. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Atualizado em 07.jan.2022 às 08h27
    Conheça os fundos de investimento que lucram milhões com shows de artistas adorados pelo público

    Saiba quem são os gestores (e como são remunerados) por trás de nomes como Gusttavo Lima, Seu Jorge, Alexandre Pires, Maurício Manieri e Daniel