O Brasil pode enfrentar estagflação?

A escalada da inflação e o baixo crescimento da economia já impactam o seu dia a dia; saiba como proteger seu patrimônio agora

Pontos-chave

  • O termo estagflação vem assustando os investidores brasileiros
  • É preciso identificar de onde vêm as maiores pressões à sua carteira

Com a inflação subindo e o ritmo da economia desacelerando, o termo estagflação começou a ganhar espaço nas manchetes. Um cenário de preços altos enquanto a atividade econômica derrapa impacta todos os brasileiros. Diante disso, é preciso ficar atento. Você está preparado, caso a estagflação de fato se instale no Brasil?

O Brasil vai enfrentar estagflação?

Economistas ouvidos pela Inteligência Financeira acreditam que este é um cenário difícil de ser criado no Brasil. A inflação é a parte que mais preocupa na equação e só deve voltar ao centro da meta em 2023. Mas a estagflação se torna difícil quando os especialistas consideram o crescimento econômico, que deve acontecer em 2022, mesmo que pequeno. 

“A expectativa é que com os altos índices de vacinação haja uma retomada da economia”, diz Claudia Yoshinaga, economista e professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Carlos Caixeta, economista e consultor empresarial, acredita que o crescimento da economia brasileira dará impulso à atividade em 2022, levando o crescimento a algo entre 0,5% e 1%. “Sairemos da inércia do terceiro trimestre com melhora dos níveis de consumo no varejo e setor de serviços”, prevê. 

Portanto, a estagflação até aparece no radar, mas ainda não apresenta riscos reais de se concretizar. Isso não significa, porém, que o cenário é bom. O Brasil vive longe do melhor dos mundos, que tem inflação baixa e crescimento alto. Vemos um desemprego persistente, alta dos preços que deve permanecer no ano que vem e pouca confiança na responsabilidade fiscal do governo. Por isso, é hora do investidor pensar no que fazer durante a crise. 

Fase 1: Reserva mais robusta 

Diante do cenário desafiador, é comum que as pessoas deixem de consumir. Inclusive, a ação do Banco Central de aumentar a Selic para 7,75% ao ano desencoraja o consumo. Ou seja, além da reação natural de poupança, temos a autoridade monetária do país travando o consumo. 

Para os especialistas, é hora de focar na reserva de emergência. “Nunca falamos tanto sobre a reserva de emergência. Ter um fôlego de caixa de alta liquidez para necessidades emergenciais é um primeiro passo (do planejamento na crise)”, explica Claudia Yoshinaga. A professora da FGV defende que é hora de pensar em esticar a reserva de emergência. A recomendação de ter em caixa de três a seis meses dos gastos fixos é trocada por seis a um ano em tempos de crise na opinião da economista. 

Ao pensar em esticar a reserva, o investidor precisa ter em mente que está pagando um custo de oportunidade, porque há outros investimentos com menor liquidez, mas rentabilidade maior que os tradicionalmente usados para a reserva de emergência. Pensando nisso, o economista Carlos Caixeta recomenda que o investidor avalie aplicações com retorno no longo prazo, como cursos que podem mudar sua carreira profissional. É uma forma de se proteger da deterioração da renda. 

Fase 2: proteção

Por falar em proteção, uma crise econômica exige que as pessoas pensem nos fatores que mais apresentam risco ao patrimônio. A partir daí vem a segunda fase da estratégia de defesa da carteira de investimentos. 

Hoje, a inflação e o câmbio são dois fatores de enorme pressão na economia brasileira. Portanto, pode ser uma boa levar em conta investimentos que te protejam do avanço dos preços e do dólar. 

Para isso, o investidor pode procurar títulos públicos e privados atrelados à inflação. Eles farão com que seu dinheiro não perca valor, como na poupança, e ainda vão remunerar acima do reajuste de preço no longo prazo. Nos títulos públicos estão os ativos do Tesouro IPCA. Na área privada, alguns CDBs estão pagando a inflação acumulada mais um prêmio.

Para o investidor mais experiente e arrojado que planeja uma viagem ao exterior ou até um intercâmbio, os fundos cambiais são uma opção de dolarizar os investimentos e não sofrer tanto com o valor alto do dólar, que deve continua acima dos R$ 5 pelo menos até as eleições presidenciais de 2022. 

Mesmo quem não pretende sair do Brasil nos próximos meses pode pensar em investir em dólar, se o perfil de risco for compatível, claro. “Por mais que você não tenha o hábito de consumir algo importado, muitas coisas do seu cotidiano estão atreladas ao dólar, como o trigo, que é importado”, explica Claudia Yoshinaga, da FGV. 


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

4 min
JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

4 min
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração

6 min
Manhã Inteligente Publicado em 17.maio.2022 às 11h57
Banco Central e Selic, abertura de capital, novela Musk e Twitter

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre os principais assuntos que podem afetar seus investimentos nesta terça (17)

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h22
Governo mexe na tabela do frete para conter insatisfação de caminhoneiros

Presidente editou medida provisória reduzindo de 10% para 5% o gatilho que permite revisão da tabela

2 min