O IPCA está em tudo: saiba como funciona o principal índice de inflação

Calculado mês a mês, indicador impacta suas contas e seus investimentos

IPCA está presente no cotidiano dos brasileiros em tudo que pode-se imaginar
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • O IPCA é medido e calculado pelo IBGE todos os meses
  • São analisados 377 itens, como arroz, mensalidade escolar, consulta médica e lazer

Você pode não saber exatamente o que é o IPCA, mas aqui vai uma dica: ele está em tudo. Nas suas compras do supermercado, na roupa que você veste, nos cursos que você consome ou até mesmo naquela ida rápida até a farmácia. Entender mais sobre o índice, a sua composição e o impacto no seu cotidiano e nos investimentos faz toda a diferença. Preparamos um pequeno guia para responder as principais perguntas sobre um dos indicadores mais importantes do Brasil.

O que é o IPCA?

IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Ele foi criado em 1979 para medir o nível de preços de bens e serviços disponíveis na nossa economia. Em outras palavras: ele é um índice de inflação que acompanha o preço daquilo que as famílias brasileiras compram e consomem. 

Qual o valor do IPCA hoje?

Atualmente, o IPCA está em 0,47%. No dia 9 de junho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o IPCA de maio de 2022, que fechou o mês com variação de 0,47%. Em abril, o índice ficou em 1,06%. No acumulado de 12 meses até maio, o IPCA ficou em 11,73%.

Como ele é calculado?

O índice é medido e calculado pelo IBGE todos os meses. Para chegar ao valor, o IBGE faz uma pesquisa de preços em estabelecimentos comerciais e prestadoras de serviços nas principais áreas urbanas do país. A pesquisa é feita todos os dias, considerando o valor à vista dos itens. O levantamento inclui cerca de 400 mil preços de 30 mil estabelecimentos. O “recheio” é variado: são analisados desde itens básicos, como arroz e feijão, até mensalidade escolar, consulta médica e atividades de lazer.

Atualmente, 377 itens têm seus preços coletados todos os meses, divididos em nove grupos: alimentação e bebidas; habitação; artigos de residência; vestuário; transportes; saúde e cuidados pessoais; despesas pessoais; educação e comunicação. Cada categoria e região do país tem um peso no resultado final. Itens de alimentação, por exemplo, costumam ter um peso maior que vestuário. Essa coleta de preços é repetida mês a mês, com comparativos que mostram se a inflação aumentou ou diminuiu.

Por que o IPCA sobe ou desce?

Geralmente, os preços de uma economia se ajustam pela oferta e demanda. Ou seja, o preço de um produto ou serviço tende a subir quando a procura aumenta e a oferta permanece igual ou diminui. O contrário também pode acontecer. Mas, outros fatores também contribuem para a variação da inflação, como, por exemplo, os resultados das safras de alimentos, preço do dólar e gastos públicos.

Um ponto importante: a redução do IPCA não significa que os preços gerais diminuíram. Nesse caso, eles aumentaram menos do que no mês anterior. A deflação, que é a queda dos preços, só acontece se o IPCA for negativo. 

Como o IPCA impacta o seu bolso?

Se a inflação sobe, significa que as coisas estão ficando mais caras. “Geralmente, a variação do IPCA é positiva, o que significa que os bens e serviços estão subindo de preço. Quando os preços sobem durante muitos meses, como tem sido atualmente, o salário das pessoas não aumenta na mesma velocidade. Ou seja, elas acabam perdendo poder de compra”, explica Gabriel Ferreira, especialista em investimentos e sócio-diretor da gestora de recursos Komatu.

E os investimentos?

Geralmente, a inflação alta faz com que o Banco Central aumente a Selic para conter a pressão sobre os preços. Com juros mais altos, alguns títulos de renda fixa tendem a se beneficiar. “Nos últimos dois anos, vimos a Selic subir de 2% para quase 13% ao ano. Ou seja, o Tesouro Selic, que é atrelado à taxa básica de juros, está remunerando seis vezes mais”, ressalta Komatu. A Selic também é usada como indexadora de outros investimentos, como LCIs e LCAs, CDBs e CDIs. No fim das contas, o IPCA também impacta, mesmo que indiretamente, a rentabilidade desses papéis.


Você também pode gostar
JOTA Atualizado em 24.jun.2022 às 21h08
ANÁLISE: Por que suspeita sobre Bolsonaro vazar informações para Milton Ribeiro não deve ter consequências jurídicas?

Outros casos de suspeita de corrupção e de interferência na PF envolvendo o presidente não avançaram na Justiça, diz Felipe Recondo, do JOTA

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h45
Diesel e gasolina sobem e preços nos postos atingem recorde histórico, diz ANP

Diesel sobe pela terceira semana seguida. Gasolina inverteu movimento de queda e teve nova alta

Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 17h58
Como o TikTok se tornou uma máquina de fazer dinheiro?

Plataforma vai triplicar receita publicitária este ano, para US$ 12 bi e ainda amplia ganho de tiktokers, avança em games e e-commerce

Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 14h46
Ataque hacker leva US$ 100 milhões em criptomoedas

Furto aconteceu na Horizon, ponte blockchain de finanças descentralizadas

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

JOTA Publicado em 24.jun.2022 às 12h39
Projeto transforma créditos de ICMS em ativos virtuais para negociação

Proposta tenta incentivar as exportações no país; especialista afirma que projeto é importante, mas ainda imaturo