Investimento baseado em metas: ele é para você?

O goal based investing (GBI) propõe uma nova forma de olhar para os investimentos, na qual o foco não é a rentabilidade

Investimento baseado em meta
– Ilustraçao: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Os resultados são medidos de acordo com o progresso em direção aos objetivos traçados
  • Entender seu perfil de investidor é o primeiro passo
  • As metas são vinculadas a uma estratégia de alocação personalizada de ativos

Final de ano chegando e, com ele, a hora de rever as metas alcançadas (ou não) e fazer uma nova lista. Com os investimentos não poderia ser diferente. Você já parou para pensar nos objetivos das suas aplicações? Os adeptos ao goal based investing (GBI) sim. O método, também conhecido como investimento baseado em metas, começou a se popularizar com o livro You can be rich too with goal based investing, escrito pelo autor indiano M. Pattabiraman.

Mesmo assim, por aqui ele ainda é pouco conhecido. O GBI é um conceito de investimento em que os resultados são medidos de acordo com o progresso em direção aos objetivos traçados. É muito comum que os investimentos e portfólios sejam pensados com foco na rentabilidade. No goal based investing, ela não é o fim, mas o meio. “O foco nesse caso é atingir as metas estabelecidas”, explica Elle Braude, planejadora financeira CFP pela Planejar. Dessa forma, a alocação de ativos e toda a estratégia é pensada em cima disso. 

O olhar no GBI é outro. É como se houvesse pequenas carteiras de investimento atreladas aos objetivos – comprar uma casa, garantir os estudos dos filhos, fazer uma grande viagem ou envelhecer com tranquilidade financeira. “O método ajuda o investidor a entender e tangibilizar seus objetivos, aumentando a motivação e a disciplina”, explica Elle. 

Etapas do goal based investing

Qualquer um pode adotar o investimento baseado em metas. O importante, antes de tudo, é conhecer pelo menos o básico sobre renda fixa e variável e identificar seu perfil de investidor. Isso será essencial para uma das fases do planejamento. Segundo Elle, o GBI passa por quatro principais etapas:

Traçar os objetivos

Aqui você precisa ter claro aonde quer chegar com seus investimentos. É nessa etapa que os sonhos e metas são colocadas no papel. “Muitas vezes o investidor não tem clareza sobre qual é seu objetivo ou desejo. É importante listar tudo e separar aquilo que realmente é uma prioridade. As metas precisam ser específicas, detalhadas”, ressalta Elle. Ter saúde financeira, por exemplo, é muito abstrato. 

Calcular o dinheiro necessário

Definindo os objetivos, a próxima etapa é calcular o quanto de dinheiro você vai precisar para atingi-los. Aqui, também é preciso ter claro se as metas são de curto, médio ou longo prazo. Esse exercício também funciona como um filtro. “Muitas vezes queremos abraçar o mundo mas nem sempre temos renda para isso. Não adianta traçar muitas metas e sacrificar todo seu dinheiro”, ressalta Elle. 

Montar um plano de investimento

É aqui que o dinheiro trabalha para você. Nessa etapa do goal based investing, as metas são vinculadas a uma estratégia de alocação de ativos personalizada com base no seu perfil e apetite ao risco. “Levamos em consideração o período para atingir a meta, o quanto será aplicado, inflação, rendimento de cada aplicação e outros vários fatores. A partir disso, montamos um mix de investimentos para cada objetivo”, explica Elle. Se a meta é de curto prazo, por exemplo, o ideal é que os ativos sejam conservadores. Se o tempo é maior, dá para arriscar um pouco mais.

Monitorar os resultados

O investimento baseado em metas requer disciplina. Isso inclui monitorar os resultados e o desempenho dos ativos. No meio do caminho, pode ser que você precise fazer alguns ajustes. “Um dos riscos do goal-based Investing é justamente não conseguir atingir um determinado objetivo no tempo proposto. Por outro lado, quando você acompanha e vê que está conseguindo seguir o que foi traçado, fica ainda mais motivado para concluir as metas”, afirma Elle.


Você também pode gostar
Valor Econômico Atualizado em 23.maio.2022 às 14h55
Os bônus estão desatualizados na era do conhecimento?

Hoje, mais funcionários de escritório colaboram em equipes para realizar tarefas complexas que exigem cooperação e criatividade

Henrique Silva Publicado em 20.maio.2022 às 16h51
Dinheiro deve ser assunto logo no primeiro encontro?

Caso da jornalista que recebeu planilha de gastos do "date" tem muito a ensinar

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Gustavo Zanfer Atualizado em 21.maio.2022 às 07h43
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro