IGP-M pode deixar de ser a “inflação do aluguel”

Índice calculado pela FGV não é bom para inquilinos e proprietários porque ele não foi desenvolvido para contratos de moradia

Discussão sobre troca do IGPM por outro índice ganha eco entre especialistas 
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Enquanto o IGP-M calcula a variação de preço todas as etapas de um produto, o IPCA registra apenas os preços finais
  • Há plataformas que já recomendam a troca de índices nos contratos de aluguel

Se a pandemia de Covid-19 complicou a vida financeira de muita gente, a situação de inquilinos que têm seus contratos reajustados pelo IGP-M, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), está ainda pior. Essas pessoas estão precisando conversar com os proprietários para tentar um evitar um reajuste de até 21,73%, valor acumulado do índice nos 12 meses encerrados em outubro. Há sinais de que o cenário pode piorar.  

Nesta sexta-feira (19), o índice avançou 0,76% na segunda prévia de novembro, informou a FGV. O resultado mostra aceleração ante igual leitura de outubro, quando o indicador havia registrado contração de 0,03%.

O reajuste dos contratos de aluguel pelo índice da FGV sempre foi o mais comum no Brasil. O problema é que ele se descolou muito da inflação oficial do país, o que faz com que inquilinos, proprietários e plataformas de moradia online se mobilizem para substituir o indexador dos contratos. 

Quanto descolou

Para quem olha de fora, IGP-M e IPCA parecem, atualmente, tratar de economias diferentes. Em setembro, o índice medido pela FGV registrou deflação de 0,64%, enquanto o indicador oficial da inflação no Brasil ficou em 1,16%. Em outubro, a diferença entre os índices foi de 0,61 ponto percentual: inflação de 0,64% no IGP-M e de 1,25% no IPCA. No acumulado de 12 meses terminados em outubro, a diferença é ainda maior: o IGP-M subiu 21,73%, enquanto o IPCA está em 10,67%. Na segunda prévia de novembro, o índice da FGV avançou 0,76%.

Fontes: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e FGV (Fundação Getúlio Vargas)

Antes de entender por que o IGP-M se distanciou da inflação oficial do Brasil, é preciso saber a diferença entre seu cálculo e o do IPCA. Enquanto o IGP-M calcula a variação de preço em todas as etapas de um produto –da fabricação à venda –, o IPCA registra apenas os preços finais. Essa diferença de metodologia parece muito simples, mas muda muita coisa. 

Por passar por toda a cadeia produtiva, o IGP-M é muito mais sensível à variação do dólar e do preço das matérias-primas, duas coisas que ficaram muito mais caras durante a pandemia de Covid-19. O IPCA também é impactado por isto, mas como as empresas podem não repassar o aumento de custo no preço final do produto, a variação é menor. 

Em setembro, o IGP-M caiu enquanto o IPCA subiu. Isso aconteceu porque o minério de ferro caiu 21,74%, o que causou forte impacto no custo de produção das empresas. Segundo André Braz, coordenador dos Índices de Preços da FGV, o índice teria registrado alta de 1,21% sem a variação da commodity. O exemplo dá uma noção do peso das matérias-primas no indicador. 

Haverá mudanças no IGP-M? 

A resposta é: não. E a explicação de André Braz é simples: “o IGP-M não foi desenvolvido para ser o indexador de aluguéis”. O economista explica que o índice foi adotado para o reajuste de aluguéis porque andava muito próximo do IPCA antes do Plano Real e feito por uma instituição que não tem relação com o governo. 

Mas já há quem não recomende o uso do IGP-M para o reajuste dos contratos de aluguel. O QuintoAndar, maior plataforma de moradia do Brasil, passou a recomendar, em novembro do ano passado, que os contratos sejam reajustados com base no IPCA. 

As grandes variações que o IGP-M traz atualmente são ruins também para os proprietários. Uma pesquisa do QuintoAndar mostra que os donos de imóveis que não aceitam a troca de índice de reajuste podem ter renda até 70% reduzida e quando há negociação, a chance de cancelamento antecipado do contrato é 87% menos que média histórica. 

Para os inquilinos, o benefício é mais palpável: trocar o IGP-M pelo IPCA poderia gerar economia de R$ 1,2 bilhão por mês aos inquilinos brasileiros. A pesquisa do QuintoAndar ainda mostra que caso todos os contratos ativos hoje tivessem sido reajustados pelo IGP-M, o gasto mensal total dos inquilinos teria aumentado 20% mais do que já subiu.


Você também pode gostar

Isabella Carvalho

Publicado em 07.dez.2021 às 18h54

Carteira digital, casamento e reforma da casa: para onde o consumidor brasileiro está olhando

Estudo mostra quais setores estão em alta e como o dinheiro está se tornando cada vez mais virtual

Direto no Bolso

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h41

Não perca controle dos seus gastos no fim de ano

Especialistas dão dicas de como não estourar o orçamento nas festas de Natal e Ano-Novo

Valor Econômico

Publicado em 03.dez.2021 às 15h32

Conta de luz pode subir 19% em 2022, segundo TR Soluções

O levantamento da empresa de tecnologia, especializada em tarifas de energia, vale para os consumidores de todo o país, de 53 concessionárias de distribuição

Anne Dias

Atualizado em 03.dez.2021 às 18h39

“Meu erro é não parar para estudar mais sobre o que fazer com o dinheiro”

O filósofo Magnus Cesar Bouchardet tem uma paixão: a bicicleta. E um problema: a má organização das finanças

Isabella Carvalho

Atualizado em 03.dez.2021 às 17h40

Previdência: vale a pena investir agora para ter benefício fiscal?

Atenção: se o PGBL se encaixa no seu perfil de investidor, você precisa aderir até 31 de dezembro