De cada 10 famílias, 8 têm dívidas: saiba como sair do vermelho

Estratégia exige frieza e organização das contas

Está endividado? Dicas para sair do buraco
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Ter tudo anotado te ajuda a entender o quão comprometida está ou ficará sua situação
  • Algumas dívidas podem levar seu imóvel a leilão, por isso exigem um cuidado maior

De cada dez famílias brasileiras, quase oito estão endividadas. O dado foi constatado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), e já estava em patamares altos mesmo antes da pandemia de Covid-19. Inflação, juros altos e crédito cada vez mais caro exigem o dobro de cuidado na administração das contas e no pagamento das dívidas. Kelly Possebon, Head Educacional da Ativa Investimentos, conversou com a Inteligência Financeira para trazer cinco dicas que vão te ajudar a sair do vermelho. Vamos a elas:

1. Coloque o dinheiro que entra e o que sai no papel

Anotar o dinheiro que entra e o que sai da sua conta corrente é imprescindível para criar uma estratégia. Kelly explica que, quando o sinal vermelho acende nas suas finanças, “é de extrema importância encarar a verdade e colocar toda a situação a limpo, montando um orçamento e entendendo o quão comprometida está ou ficará a situação. Por quê? Porque a maioria das pessoas corre para pegar um empréstimo novo, sem pensar”. Ela alerta para o fato de que a parcela do empréstimo pode não caber no orçamento mensal, tornando o problema ainda maior.

2. Evite passar do limite de gastos

Cartão de crédito e cheque especial são modalidades para quem precisa adiantar um dinheiro que não é seu. Mas veja: os juros cobrados em ambos os casos são altos. “Estamos falando de juros gigantescos”, salienta Kelly. “A partir do orçamento que foi colocado no papel, a pessoa terá compreensão do que ela pode encarar, ao invés de trocar um problema pelo outro.”

3. Venda o que puder ou procure os juros mais baratos

Se você tiver algo que possa ser vendido rapidamente para quitar uma dívida, venda-o. Se isso não for possível e um empréstimo for inevitável, pesquise os juros mais baratos no mercado financeiro. Nas modalidades de empréstimo, 1% a menos pode significar uma economia bastante razoável. Os empréstimos consignados tendem a ter taxas menos agressivas. 

4. Atenção redobrada às dívidas que geram problemas judiciais

Algumas dívidas podem levar a leilão o seu imóvel ou à apreensão de bens, por isso exigem um cuidado maior. Se você está envolvido com um financiamento habitacional, o próprio imóvel é dado como garantia em caso de inadimplência, com base na lei de alienação fiduciária. Neste caso, o leilão é a saída encontrada pelo seu credor para quitar a dívida. Atenção também para dívidas com o condomínio e o IPTU. Além da casa, muitos outros bens podem ser penhorados. 

5. Busque informações

Kelly recomenda que, se você estiver endividado, procure informações de confiança. Comece pelo começo: entenda o que é sua dívida, como ela foi formada, quais juros e taxas o credor está te cobrando, se há espaço para negociação. Tendo tudo em mãos, você terá mais clareza sobre onde errou e qual estratégia adotar para contornar a situação e não errar novamente. Também é importante conversar com pessoas da sua confiança. “Muitas vezes as pessoas estão envolvidas demais no problema e acabam não enxergando saídas óbvias”, afirma Kelly.

Colaborou Anne Dias


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras

Anne Dias Publicado em 13.maio.2022 às 07h00
Qual é o peso da sorte e do azar no mundo dos investimentos?

O antídoto contra esta sexta-feira (13) no seu bolso é a educação financeira

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 12h41
Magalu lança conta digital sem mensalidade e cartão de crédito para empresas

A fintech Magalu anunciou nesta quinta-feira o lançamento de dois produtos, um cartão de crédito corporativo e uma operação de empréstimo pessoal para pessoas físicas

Valor Econômico Atualizado em 10.maio.2022 às 18h05
IR: restituição de quem deixou declaração para última hora poderá ser maior

Estratégia está sendo usada por contribuintes que apostam em alta no índice de correção dos valores que precisam ser repassados pela União