Já ouviu falar do ETF da felicidade?

Guru da economia comportamental, Dan Ariely cria índice que mede a motivação de funcionários

cropped-IF_ETF-1.jpg

Pontos-chave

  • Produto financeiro leva o ticker HAPY
  • Um dos objetivos é fazer com que as empresas pensem no capital humano como um ativo

No universo dos investimentos com pegada ESG, a letra “S” ainda engatinha se comparada a produtos financeiros com foco nos outros fatores. Parte desse descompasso recai sobre uma certa dificuldade de medir retornos e benefícios associados a essa dimensão. É assim, por exemplo, com o conceito de capital humano dentro de uma companhia.

“Como podemos quantificar como os funcionários pensam sobre as empresas, o quão motivados estão?” A ponderação de Duke Ariely, professor de economia comportamental da Duke University e palestrante, motivou a criação de uma metodologia para medir o grau de engajamento e felicidade entre os empregados. “Não há dúvida de que a motivação dos funcionários é incrivelmente importante para a produtividade da organização”, diz em entrevista ao Valor.

O que a felicidade tem a ver com o lucro das empresas?

O autor começou, seis anos atrás, a tentar entender se existia uma correlação entre o nível do engajamento das equipes e o desempenho das ações de uma companhia. O resultado da análise extensiva de dados feita pelo especialista no período foi a criação do indicador “human capital fator” (HCF) ou fator capital humano, em tradução livre. Trata-se de um “score” para medir o nível de motivação de uma empresa, criado pela startup Irrational Capital, cofundada por Ariely.

“Você pode pensar em uma empresa como se fosse uma máquina. O poder dessa máquina vem do poder das pessoas que lá trabalham, de suas motivações, engenhosidade, criatividade e assim por diante. Então essa é a lógica para essa pesquisa.”

O que é o ETF da felicidade

Baseado nesse conceito, a gestora americana Harbor Capital Advisors lançou no fim de fevereiro um ETF, o Harbor Corporate Culture Leaders. O ticker de negociação HAPY remete à palavra em inglês “happy”, que significa feliz. O referencial ao qual o ETF está atrelado, o “Human Capital Factor Unconstrained Index” foi construído a partir do score criado pela Irrational Capital. O indicador abrange de 70 a 100 companhias americanas com melhores índices de HCF e que tenham capitalização de mercado de, ao menos, US$ 1 bilhão.

Conforme a casa, as 10 maiores posições da carteira do ETF representam 12,8% do retorno total. A lista inclui de empresas de tecnologia a farmacêuticas: United Therapeutics, VMWare, Natera, Zoom, JAMF, Pfizer, Dynatrace, SBA Communications, Merck and Co e MarketAxess.

“Nos últimos seis anos, tenho procurado dados que me ajudem a avaliar a motivação e a cultura dentro de uma empresa”, afirma Ariely. O pesquisador explica ter encontrado “muitos e muitos dados na análise estatística para tentar descobrir quais ajudam a prever os retornos do mercado de ações e quais não”. O professor de economia comportamental aponta ter descoberto, por exemplo, “que se sentir valorizado é incrivelmente importante e que os níveis absolutos de salário importam muito menos que a da justiça do salário”.

O que liga a motivação das pessoas ao desempenho das ações

A pesquisa sobre a correlação entre motivação de funcionários e o desempenho das ações teve três etapas. “Inicialmente, fiz experimentos de laboratório, quando tentava entender o que cria e sustenta a motivação”, diz o especialista. “Depois, fui trabalhar com as empresas, ia a uma companhia de cada vez e tentava mudar a motivação”. O terceiro passo “foi incrivelmente importante”. Segundo o acadêmico, foi “tentar entender quais empresas são melhores nesses fatores e quais são piores”.

Para que serve o ETF da felicidade?

Há duas metas nessa pesquisa. “A primeira é possibilitar às pessoas investir em empresas que tratem melhor seus funcionários e obtenham retorno para os investidores. A segunda é fazer com que as empresas comecem a pensar no capital humano como um ativo. Quando as empresas compram um armazém, veem isso como um investimento, mas quando investem em seus funcionários é um custo. Quero mudar isso, quero que as pessoas pensem no capital humano como um investimento.”

J.P. Morgan revisou o processo

Os resultados da pesquisa para definir o HCF foram revisados pelo J.P. Morgan, conta Ariely. “O banco olhou nossos dados e eles encontraram duas coisas. Uma é que é um importante fator preditivo de sucesso. Outra é que não está correlacionada com outros fatores. E é sempre bom quando alguém independente está fazendo a mesma análise, chegando aos mesmos resultados.”

De acordo com o relatório do banco americano, os dados analisados compreendem respostas de 2,6 milhões de indivíduos a partir de pesquisas únicas coletadas por meio de mais de 65 milhões de pontos. Uma segunda base, de fontes públicas de informações, também foi utilizada. Nesse caso, a Irrational Capital coletou mais de 2 milhões de respostas em 13 milhões de pontos. Segundo os analistas, a base estruturada consiste em 30 classificações em tópicos como cultura da empresa, atitudes no local de trabalho, relacionamentos com gestores, benefícios, compensações, percepção sobre a liderança, valores da organização e muitas outras. Os levantamentos abrangem 2 mil companhias públicas e privadas nos EUA.

O J.P.Morgan também realizou uma simulação comparativa de longo prazo de um grupo de 30 ações de empresas com maior score HCF ante o índice MSCI USA, para o período de 2009 a 2020. Os resultados mostram que o grupo de scores mais elevados gerou um retorno 6,9 pontos percentuais ao ano acima do referencial. Em uma visão de risco/retorno, a carteira HCF apresentou um índice de Sharpe [mede quanto um investimento rendeu em relação a um ativo livre de risco] médio de 1,2, considerado alto.

O que define o sucesso de uma empresa?

Na visão de Ariely, “o fator humano é uma indicação precoce de sucesso”. Conforme o pesquisador, é possível fazer uma analogia com a chuva: “imagine que alguém está tentando prever as safras de café e você tem informações sobre a chuva, poderá ter um sinal antecipado antes mesmo de ver o café”.

O fator capital humano, diz o especialista em economia comportamental, funciona de modo semelhante. “Você pode olhar para a empresa desde o início e, mesmo antes de ter invenções, processos e melhorias, você pode ter um sinal precoce de que isso provavelmente acontecerá.”

Valorizar as pessoas, não a burocracia

Outro ponto, ressalta o autor, “é que é um fator que não é importante só para o mercado de ações, mas também para as empresas, mesmo aquelas de capital fechado”. O especialista aponta como uma das principais conclusões sobre como as companhias devem tratar seus funcionários o que ele chama de fator apreciação. “Sentir-se apreciado é muito importante. Justiça no salário, na promoção. A burocracia mata a motivação. As pessoas precisam sentir segurança psicológica.”

O professor da Duke University afirma esperar que sua pesquisa impacte a forma como as empresas tratam seus funcionários. “Espero que as empresas comecem a repensar seu balanço patrimonial incluindo o fator capital humano. Com isso, também comecem a avaliar, medir, comparar e tentar maximizá-lo ou, pelo menos, melhorá-lo.”

Ariely diz que seu principal conselho para as organizações seria apenas perceber o quão importante é o fator humano. “Todo CEO diz que a qualidade do pessoal é a melhor coisa que tem, mas a realidade é que poucos se comportam dessa maneira. Meu conselho é olhar com cuidado e criticamente para a maneira como você trata seus próprios funcionários e começar a pensar em como melhorar o fator capital humano e o bem-estar deles.”


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

5 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

1 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

4 min
Glossário IF Publicado em 30.jun.2022 às 17h10
O que é o balanço patrimonial ou contábil de uma empresa?

Ele serve para mostrar se uma empresa está saudável ou não. Saiba mais no Glossário IF

Anne Dias Publicado em 30.jun.2022 às 15h50
Dica do especialista: carteira com diversos ETFs

A meta do gestor do ativo é superar um benchmark determinado

2 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h26
2 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia

1 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23
4 min