Dólar turismo e comercial são diferentes; entenda para o que cada um deles serve

Dólar comercial é mais barato, mas os turistas não têm acesso a ele

Invista no Exterior - Descentralize
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • O dólar turismo vendido a pessoas físicas é 4% a 8% mais caro do que o dólar comercial
  • Em países que não têm o dólar como moeda oficial, em geral comprar dólares no Brasil e fazer a conversão no país é a melhor alternativa

Dólar turismo X dólar comercial. Você já deve ter observado que a cotação de ambos é diferente e que o primeiro é mais caro que o segundo, usado para quem sai do Brasil, faz compras em sites estrangeiros e para a conversão das despesas do cartão em outros países. Mas por que eles são diferentes?

O que é o dólar comercial?

O dólar comercial é usado em grandes movimentações financeiras entre bancos e empresas para importação e exportação de bens ou serviços. Por isso, ele define as taxas do mercado e é vendido a um valor mais barato ao ser comprado em grandes quantidades por pessoas jurídicas. Ou seja, tem uma liquidez maior e condições de compra mais favoráveis. 

A má notícia é que você, pessoa física, não pode levar sua maleta para encher de dólar comercial. O dólar turismo é a moeda em espécie, o papel físico vendido aos viajantes e pode custar entre 4% a 8% mais caro. Então, se US$ 1 comercial estiver valendo R$ 4,90, deve custar entre R$ 5,10 até R$ 5,29 no turismo por incorporar custos administrativos, de armazenamento, de logística e impostos, além das vendas serem em volumes muito menores. O Banco Central é o responsável por monitorar possíveis preços abusivos na cotação turismo.

Não há limites legais para a compra dólares turismo, mas é preciso comprovar a origem do dinheiro para valores que ultrapassem os US$ 3 mil. É possível usar, por exemplo, a sua folha de pagamento ou uma declaração do Imposto de Renda.

O que levar na viagem: dinheiro ou cartões?

Para cada uma dessas opções, existe uma cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). São elas:  

  • Dinheiro em espécie: 1,1% incide sobre o valor total;
  • Cartão de crédito: 6,38% incidem sobre o valor de cada compra feita;
  • Cartão de débito (cartão pré-pago): 6,38% incidem sobre o valor total no cartão;
  • Transferências internacionais para uma conta no exterior: 0,38% incide sobre o valor da transação.

Bia Moraes, especialista em finanças e investimentos e educadora financeira da Ativa, recomenda sempre levar uma boa quantia em espécie. Caso a viagem seja muito longa ou para destinos que ofereçam algum risco para guardar ou transitar com dinheiro, a especialista aconselha adquirir uma parte em cartão pré-pago. Além de oferecer mais segurança, “evita que o viajante fique exposto a oscilações no valor do câmbio, já que o preço da moeda é travado no momento da aquisição e pode ser recarregado de qualquer lugar do mundo”, explica a especialista. 

O que é o spread das moedas? 

E quando a viagem é para países que utilizam outras moedas, como o rial catarense do Catar, sede da Copa do Mundo de 2022? Se o país aceita pagamentos com a moeda americana, você deve comprar dólares no Brasil para depois trocar pela moeda local ou comprar diretamente o rial no Brasil antes da viagem?

O rial catarense, por exemplo, é uma moeda pouco comum e muito menos usada nas transações. Sendo assim, é mais caro comprá-la diretamente devido ao seu maior spread cambial. Em inglês, spread significa margem e está presente sempre que há troca do real por alguma moeda estrangeira. Ele indica a diferença entre o preço pelo qual a casa de câmbio comprou a moeda e o preço de venda ao consumidor final. Isso você já deve fazer, mesmo sem saber o nome oficial da operação: você procura sempre o menor spread possível. Se a casa de câmbio compra a moeda por R$ 4,90 e vende a R$ 5,10, o spread foi de R$ 0,20 ou 4%. 

No caso da viagem ao Catar, país que aceita o dólar em muitos lugares, Bia Moraes explica que seria melhor comprar e levar dólares ao invés de comprar o rial diretamente, porque o spread dessa moeda é muito elevado e pode ficar mais salgado para o seu bolso.

Colaborou Anne Dias


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

1 min
Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

1 min
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça

1 min
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 17h38
Em sessão volátil, dólar fecha em queda de 0,14%, a R$ 5,05

O movimento acompanhou o enfraquecimento da moeda americana no mercado externo

1 min
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 16h08
Por dentro de uma reunião dos devedores anônimos

Irmandade ajuda as pessoas a se livrarem do vício das compras

5 min