Cortes do Manhã Inteligente: o que está acontecendo com o dólar?

Juros brasileiros atraem investidores de todo o mundo

cotação do dólar no brasil cortes do manhã inteligente

Pontos-chave

  • Ainda haverá muita oscilação até dezembro
  • Dois motivos mexem com o dólar: o choque das commodities e os juros altos brasileiros

De repente, a cotação do dólar caiu. Em um ano com guerra, inflação global e ainda uma eleição polarizada, o Brasil se viu em meio a uma queda inesperada da moeda. O especialista líder em investimentos do Itaú Unibanco, Victor Vietti, disse nesta sexta-feira (22) no Manhã Inteligente, que a perspectiva do banco é de que o dólar deva ficar em R$ 4,80 no final deste ano. Hoje, a moeda já está sendo cotada neste valor, depois de subir 4,04%, a maior alta diária registada desde 2020. Este resultado veio com a aposta de uma maior agressividade do FED, que é o Banco Central dos EUA, em relação ao aumento dos juros, ao mesmo tempo que o noticiário político local elevava a cautela de investidores.

O que motiva as oscilações do dólar?

Mas deverá haver muita oscilação até dezembro. Os motivos, segundo Victor, são basicamente dois: o choque das commodities e os juros. Sem contar as eleições presidenciais e crises políticas que ainda podem pipocar até lá.

O choque nos preços das commodities, que acontece sempre que os preços das matérias-primas disparam – ou são corroídos. No cenário atual, estamos falando do aumento das commodities.

Quanto aos juros, a explicação é simples. O Brasil tem hoje um dos maiores juros reais do mundo. “Então, os investidores estrangeiros vêm para cá em busca de retornos relativamente seguros. Brasil ficou interessante para o estrangeiro”, afirma Victor. Em linhas gerais, juros altos garantem um certo dinheiro fácil para os investidores, ainda que o risco-país abale o cenário. “Os investidores comparam os juros que Brasil paga versus o que os EUA pagam, que está abaixo de 1%.”

Tudo pode mudar se o FED aumentar os juros de forma rápida. Aí, o diferencial entre o Brasil e os EUA vai diminuir, o que coloca pressão no real. “Que é o que já estamos vendo hoje”, disse Victor.

Veja a análise do cenário feita por Victor Vietti logo abaixo:


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA