Pagou contas atrasadas neste ano? Muita gente sim, e o valor médio foi de R$ 703

Número de pessoas que limpou o nome aumentou

último dia do Feirão do Serasa - balanço Previa-se 6 milhões de negociações. Há 10 dias havia apenas 3 milhões
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • Valor é 1,3% maior que os R$ 694,49 observados no trimestre anterior
  • O desconto médio dado às dívidas foi de 45%

O valor médio pago por dívida atrasada pelos brasileiros neste ano ficou em R$ 703,59 no primeiro trimestre do ano, conforme levantamento da empresa de cobranças Paschoalotto. O valor é 1,3% maior que os R$ 694,49 observados no trimestre anterior. O número de pessoas que se organizou para quitar suas dívidas aumentou 3,2% nos três primeiros meses do ano, ante o último trimestre de 2021.

A pesquisa foi realizada na base de dados da Paschoalotto, avaliando 3,6 milhões de contratos em todo o Brasil, somando R$ 15,6 bilhões em dívidas. São Paulo representava o maior estoque de dívida, com 21,63% do total, e Roraima o menor, com 0,24%.

Por que a inadimplência aumentou?

Segundo o economista-chefe da empresa, Reinaldo Cafeo, o cenário de inadimplência foi agravado em 2020, em plena pandemia de covid-19, e passou a mostrar melhoras, com a maior quitação de dívidas, a partir de julho do ano passado. “Foi uma mudança positiva do quadro. Mês a mês passamos a ter um número maior de pessoas honrando suas dívidas e, gradativamente, o tíquete médio também subiu”, afirma Cafeo.

De quanto foi o desconto dado às dívidas vencidas?

O desconto médio dado às dívidas foi de 45%, conta o economista, mas há campanhas para acerto de contas que chegam a oferecer até 80% de desconto no total, considerando o valor principal, juros e multas por atraso.

“Uma dívida pendente que retira a possibilidade de compra a prazo devido as restrições de crédito é sempre um trauma para as famílias. Para muitos, o nome sem restrição de crédito é o maior patrimônio que a pessoa possui”, afirma Cafeo.

Maioria não é devedora reincidente

Segundo ele, a maior parte da população não é devedora reincidente e, justamente por isso, se sente humilhada ao tentar fazer uma compra e ser impedida por estar negativada, o popular “nome sujo”. “Nossa intenção é recolocar o cidadão no mercado de consumo, para reaquecer comércio local”, conta Cafeo, destacando a importância de programas de educação financeira.

O economista explica que o aumento no valor do acerto de contas observado neste ano é decorrente da queda na taxa de desemprego do país, de 3,8 pontos percentuais na comparação com o mesmo trimestre de 2021, para 11,1%. Além disso, o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) aponta para um saldo líquido positivo de 615,2 mil vagas de emprego formal criadas no período.

Ainda no primeiro trimestre, o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1% em relação aos três últimos meses de 2021, sendo que o consumo das famílias, que representa cerca de 70% da demanda agregada do PIB cresceu 0,7% no período.

Cenário não é favorável

Mas o segundo semestre parece bem menos auspicioso. Com perspectivas para a economia ganhando contornos de recessão, inflação alta nos Estados Unidos, aumento de juros nos Bancos Centrais em todo o mundo, perda de renda dos brasileiros e eleições presidenciais, Cafeo já espera por uma tendência de queda no número de contas quitadas.

Com conteúdo do site Valor Investe, um veículo Globo Notícias


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 02.jul.2022 às 13h59
Luiza Trajano: conheça fatos inéditos da vida de uma das principais empresárias do Brasil

Visão da empresária guia livro “Luiza Helena - Mulher do Brasil”, de Pedro Bial

5 min
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade