Aluguéis têm a maior alta desde 2019: 3,87%

Índice que monitora 25 cidades mostra que, tirando São Paulo, o valor subiu em todos os municípios pesquisados

Discussão sobre troca do IGPM por outro índice ganha eco entre especialistas 
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Entre as capitais, os maiores aumentos foram em Curitiba, Florianópolis, Recife, Fortaleza e Belo Horizonte
  • A rentabilidade para os proprietários ficou abaixo dos juros básicos

O preço médio para novos contratos de aluguel residencial teve alta de 3,87% em 2021, segundo o Índice FipeZap. Esta é a maior alta desde 2019, quando o levamento apurou um aumento de 4,93% nos contratos. 

O índice que monitora o preço médio do aluguel em 25 cidades brasileiras encerrou dezembro com alta de 0,80%, o sexto avanço mensal consecutivo e mostrando aceleração frente aos últimos meses: julho (+0,13%), agosto (+0,37%), setembro (+0,52%), outubro (+0,57%) e novembro (+0,66%).

Apesar do preço do aluguel ter ficado mais caro no ano passado, a alta ficou abaixo da inflação calculada pelo IPCA (+10,06%) e pelo IGP-M (+17,78%) em 2021.

Preço médio por m²

O preço médio do aluguel residencial encerrou o mês de dezembro em R$ 31,51/m². Em São Paulo, foi de R$ 39,76 o metro quadrado e, no Rio de Janeiro, R$ 32,16. O aluguel subiu em 24 das 25 cidades monitoradas, menos em São Paulo, onde houve recuo de 0,92% no ano, na média.

As maiores altas foram registradas em São José/SC (26,02%), Guarulhos/SP (18,64%), São José dos Campos/SP (16,38%) e Joinville/SC (14,69%). Entre as capitais, destaque também para o aumento em Curitiba (14,17%), Florianópolis (11,59%), Recife (11,19%), Fortaleza (9,55%) e Belo Horizonte (7,17%).

Rentabilidade para proprietários piorou

O Índice FipeZap também calcula a rentabilidade do aluguel para o investidor que compra um imóvel para ter renda com a locação. O indicador é feito pela razão entre o preço médio de locação mensal e o preço de venda dos imóveis. Essa relação fechou dezembro com uma taxa anualizada de 4,66%. Como base de comparação, os juros básicos estão em 9,25%. A pior rentabilidade foi a de Fortaleza, com taxa anualizada de 3,48% , enquanto que a melhor foi a de Santos (7,61%). Em São Paulo, ficou em 4,91%.

Com reportagem do G1


Você também pode gostar
Henrique Silva Publicado em 20.maio.2022 às 16h51
Dinheiro deve ser assunto logo no primeiro encontro?

Caso da jornalista que recebeu planilha de gastos do "date" tem muito a ensinar

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Gustavo Zanfer Atualizado em 21.maio.2022 às 07h43
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro