Como a volatilidade impacta seu bolso e qual o antídoto contra ela

Todo investidor bem informado e que lê a IF já sabe: 2022 trará desafios para a carteira. Saiba o que fazer

Volatilidade: o que é isso? o que eu faço? Por que o ano 2022 vai ficar tão volátil?
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • O mercado trabalha com dois tipos de volatilidade: a histórica e a implícita
  • Os derivativos podem ser um bom caminho para prever a volatilidade de um ativo
  • Quem diversifica os investimentos pode ficar mais tranquilo

Um investidor não precisa ser experiente para ouvir falar em volatilidade pela primeira vez – e nem para sentir os seus efeitos sobre suas aplicações. Este é um termo comum no mercado financeiro. É um daqueles assuntos que economistas discutem diariamente, com efeito direto e imediato na carteira de todos. Por isso, é importante entender sobre o assunto e se preparar, porque 2022 deve trazer muita oscilação nos investimentos. 

Volatilidade histórica e implícita

A volatilidade é o quanto um ativo se move em torno de sua média. Se em um ano uma ação teve média de preço de R$ 9,50 e chegou a extremos de R$ 9,75 e R$ 9,30, a volatilidade foi baixa, já que o preço se moveu pouco em torno da média. 

Aqui, é importante separar dois conceitos: volatilidade e risco. Eles podem estar relacionados, mas não são a mesma coisa. “O primeiro fala sobre oscilação de rentabilidade e o outro sobre o risco do ativo virar pó. O fato de um ativo oscilar muito não é o que vai determinar se ele vai ficar mais caro ou barato”, explica Enrico Cozzolino, analista da Levante Ideais de Investimentos. 

Ainda é importante conhecer os dois tipos de volatilidade: a implícita e a histórica. “A implícita mede variações no momento atual, enquanto a histórica olha o comportamento de um ativo ao longo do tempo”, diz Cozzolino. 

“A volatilidade implícita mostra o que o mercado está esperando hoje. Em semanas com acontecimentos importantes, como reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), a tendência é que a volatilidade implícita suba”, afirma Marink Martins, fundador do site de análises MyVOL.

Volatilidade à vista

Uma das formas mais fáceis de identificar o nível de volatilidade implícita de um ativo é dar uma olhada na negociação de um derivativo. “Podemos olhar para contratos derivativos de ações da Petrobras para vermos a expectativa de oscilação. É muito importante entender o que o mercado está esperando em termos de volatilidade”, diz Martins. 

Na prática, o investidor pode olhar o preço atual das ações preferenciais de Petrobras, por exemplo, e ir atrás dos preços de exercício de opções de compra e venda, já que esses ativos falam sobre a expectativa de um papel no futuro. É uma forma de ter uma noção da oscilação que o mercado espera para um papel. Se hoje o ativo vale R$ 29,20 e há um grande volume de contratos com opção de compra a R$ 26 sendo negociados, dá para dizer que o mercado espera uma oscilação significativa para o ativo. 

Esta é uma forma simples de identificar a volatilidade implícita de um papel. Há ainda várias fórmulas que especialistas fazem para calcular isto e chegar em um resultado mais assertivo. Se você ainda não conhece o mercado de opções leia esta matéria da Inteligência Financeira

O antídoto contra a volatilidade

Qualquer investidor bem informado sabe que o ano que vem trará desafios para a sua carteira. Um deles está relacionado à volatilidade, que sempre esteve presente antes e depois de eleições presidenciais. “A volatilidade nem está tão alta este ano comparada ao que esperamos para o ano que vem, quando devemos ver algo parecido com o que vivemos no segundo trimestre de 2014, na disputa entre Dilma e Aécio”, diz Marink Martins.

Quem olhar para os lados e achar que não há como fugir da volatilidade vai gostar da dica de Enrico Cozzolino: “o jeito de minimizar a volatilidade é diversificar”. 

A forma de diversificação varia muito de acordo com o perfil de investidor, mas especialistas recomendam a todos, de conservadores e arrojados, que não concentrem o patrimônio em poucos ativos. E para os conservadores que acham que ativos de renda fixa não são voláteis: cuidado! É possível haver a suspensão de negociações de títulos do Tesouro Direto marcados a mercado caso de alta volatilidade. 


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 10h10
Ibovespa tem tendência de queda com inflação e Petrobras se mantendo no radar

Investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Fed

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 09h54
Dólar sobe acompanhando exterior e juros futuros estendem alta da véspera

Divisa americana ganhava força no pregão desta quarta ante moedas de países emergentes

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa