Por que tanta gente (ainda) investe na caderneta de poupança?

De cada cinco investidores, um tem dinheiro na caderneta, ainda que o rendimento perca para a inflação

Pontos-chave

  • Facilidade de investir e falta de informação ajudam a explicar a popularidade da poupança
  • A caderneta até pode voltar a render acima da inflação, mas hoje ela não é o melhor ativo de renda fixa

Se você já procurou conteúdos sobre investimentos, certamente ouviu dizer que a caderneta de poupança é um mau negócio, que há outras opções mais rentáveis e que o primeiro passo para “fazer seu dinheiro trabalhar para você” é tirá-lo da poupança. Mesmo com esses argumentos, a poupança continua sendo um dos investimentos mais procurados pelos brasileiros. Um levantamento da Anbima feito em setembro deste ano mostrou que 22,2% dos investidores tem dinheiro depositado na caderneta.

O que explica a popularidade da poupança? 

Um dos fatores que explica a alta adesão à poupança é que muitos bancos oferecem contas vinculadas com a aplicação quando o dinheiro fica parado. É uma prática antiga do mercado, mas ainda muito comum. Além disso, a poupança é isenta de taxas e de Imposto de Renda, o que faz brilhar os olhos de muita gente.

Outro motivo do alto índice de adesão ao investimento é a falta de acesso à informação. “Se as pessoas fizessem contas e buscassem informações sobre outros produtos, ficariam mais confiantes e sairiam da poupança”, avalia Michael Viriato, sócio da Casa do Investidor, escritório de agentes autônomos.

O fator psicológico ainda pesa na escolha pela caderneta. “As pessoas costumam investir no que conhecem, entendem e, principalmente, confiam, e a poupança cumpre esses três papéis. Pessoas com menor educação financeira geralmente investem em coisas que trazem segurança”, explica Henrique Castro, professor de finanças da FGV EESP.

Opções mais rentáveis e tão seguras quanto a caderneta

A poupança ainda é a favorita porque passa segurança aos investidores. Porém, outros instrumentos são mais rentáveis e tão seguros quanto o investimento. 

Uma alternativa é o CDB, investimento que vem ganhando espaço na renda fixa. O ativo é uma forma de emprestar dinheiro a um banco em troca de juros. Esse instrumento oferece rentabilidade até 5,5% maior que a inflação ou um pouco acima da Selic. O investimento pode ser de curto a longo prazo, tudo depende do papel escolhido. Para quem tem medo, não precisa se preocupar: os investimentos inferiores a R$ 250 mil são protegidos pelo FGC

Ainda no campo dos títulos privados, temos as Letras de Crédito Agrícola e as Letras de Crédito Imobiliário, que são títulos emitidos para financiar projetos no campo ou no setor imobiliário. Todos também são protegidos pelo FGC. 

Para quem não quer investir em dívida privada, pode escolher títulos da dívida pública. O Tesouro Direto é um jeito fácil de investir em instrumentos atrelados à inflação (IPCA) ou à taxa básica de juros (Selic) com aplicações a partir de R$ 30. “O investimento no Tesouro Direto é tão seguro quanto a poupança e serve para investimentos de curto a longo prazo”, afirma Henrique Castro, da FGV. 

Investimento (por enquanto) não supera a inflação

O rendimento da poupança perde para a inflação. Isso significa que ao deixar seu dinheiro nessa aplicação, ele perde valor – as coisas vão ficando mais caras e seu dinheiro não acompanha a alta dos preços. A poupança rende 70% da Selic enquanto a taxa está abaixo de 8,5% ao ano. Com a Selic a 7,75% ao ano, a poupança rende 5,42% ao ano, valor bem abaixo da inflação que vimos nos últimos meses. Nos 12 meses até outubro, a inflação acumulada foi de 10,67%.

A poupança pode voltar a ter ganho real apenas no ano que vem. Isso porque a Selic deve subir para 11%, segundo estimativas do mercado financeiro, e quando a taxa está acima de 8,5%, a remuneração da poupança passa a ser de 0,5% ao mês, o equivalente a 6,17% ao ano. Com as previsões de inflação chegando a 4,63%, a poupança pode, finalmente, ter rendimento real. 

Apesar das previsões, uma coisa não muda: até que uma provável mudança de cenário aconteça, a poupança continuará como o investimento menos rentável da renda fixa. 


Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Redação IF

Atualizado em 07.dez.2021 às 12h04

Poupança deve voltar a ter rendimento pela regra antiga após reunião do Copom; entenda como funciona e onde investir

Com uma Selic acima de 8,5% ao ano, poupança passará a ter retorno fixo de 0,5% ao mês + TR, ou 6,17% ao ano. Mesmo rendendo mais, aplicação segue perdendo para a inflação

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 16h17

Saques na poupança superam depósitos em R$ 12,3 bilhões em novembro

Foi o quarto mês seguido com saída líquida de recursos da modalidade de investimento

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses

Isabella Carvalho

Publicado em 03.dez.2021 às 17h13

Cinco dicas para escolher um fundo de investimento

Só durante a pandemia foram lançados 3.201 fundos. Com tantas opções no mercado, você deve analisar alguns pontos para fazer a melhor seleção

Anne Dias

Atualizado em 03.dez.2021 às 18h39

“Meu erro é não parar para estudar mais sobre o que fazer com o dinheiro”

O filósofo Magnus Cesar Bouchardet tem uma paixão: a bicicleta. E um problema: a má organização das finanças

Leonardo Guimarães

Atualizado em 06.dez.2021 às 10h24

Queda de 0,1% do PIB pode mudar a trajetória da Selic e, radicalmente, a dos seus investimentos

Desaceleração do PIB no terceiro trimestre pode parecer pequena, mas o fraco desempenho da economia afeta o seu bolso

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h41

Com loja parada, ação de grandes redes cai

Expectativas começam a ser reduzidas e investidor vem “precificando” um mês de dezembro difícil