Ativos verde e amarelo ainda valem a pena? Veja o que dizem os analistas

Mesmo em um período incerto, especialistas destacam opções interessantes em ações, Tesouro Direto e fundos de investimento

Kit de ativos brasileiros na B3 para estrangeiros
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Gestoras de fundos multimercado estão aumentando suas exposições em ações brasileiras
  • Na Bolsa, a dica é ficar de olho em empresas que oferecem serviços básicos
  • O recém-criado Fiagro (fundos de investimento do agronegócio) pode ser uma alternativa

Estamos vivendo um momento de instabilidade e prestes a entrar em um outro ainda mais turbulento. É o que acredita Valéria Vieira, head de renda variável da RB Investimentos. “Com um ano eleitoral se aproximando e tudo que vem acontecendo nas últimas semanas, a tendência é que os investimentos continuem voláteis. Mas é justamente aí que surgem oportunidades, principalmente para o investidor de longo prazo”, ressalta.

Mesmo em um período incerto existem boas opções em ativos brasileiros. Gestoras de fundos multimercados estão aumentando suas exposições às ações brasileiras, como é o caso da Verde Asset Management. Em sua carta mensal mais recente, Luis Stuhlberger, CEO e CIO da Verde, afirma que está aumentando “seletivamente e com disciplina” sua aposta na Bolsa, uma vez que o mercado parece precificar um cenário “bastante inóspito” e uma porção de companhias negocia a valores vistos como interessantes.

Em conversa com a IF, Valéria Vieira, da RB Investimentos, e Fernanda Melo, sócia da HCI Invest, trouxeram visões sobre alguns ativos brasileiros que você deve ficar de olho. Vamos lá:

Estratégia para as ações

Quando o assunto é o mercado de ações, você precisa entender que a oscilação continuará forte. “O investidor que tem mais apetite ao risco pode se dar melhor nesse cenário. Ainda que as tensões políticas se resolvam, existe a incerteza de quem será o próximo presidente”, ressalta Fernanda Melo, da HCI.

A dica é ficar de olho em setores perenes e empresas que oferecem serviços básicos. Elas costumam oscilar menos por oferecerem produtos sempre demandados, mesmo em momentos de recessão econômica. “Empresas de energia, saneamento ou que têm em sua cadeia desde a etapa de produção até o processamento costumam ser apostas melhores, já que a inflação pode aumentar ainda em todo o mundo”, diz Valéria Vieira, da RB.

A especialista cita a Camil como um exemplo. “A empresa tem um portfólio, atuando desde a produção. Com o aumento da inflação, as companhias que só processam um produto caro precisam repassar esse custo. Empresas como a Camil conseguem suavizar isso”, explica.

No Tesouro Direto

A renda fixa voltou a ser assunto depois do Banco Central aumentar a taxa de juros para 7,75% ao ano. “Já conseguimos ver títulos pagando 1% ao mês. Isso é um cenário inédito se compararmos os últimos anos”, ressalta Fernanda. Títulos indexados ao IPCA passaram a ser atrativos e podem ser boas opções. “Eu ainda esperaria mais um pouco, porque a expectativa é de que os juros subam ainda mais. Assim, você consegue taxas melhores”, diz Valéria.

E os fundos de investimento?

Além dos tradicionais fundos imobiliários, que devem registrar uma retomada depois da pandemia, Fernanda chama atenção para o recém-criado Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro). “Eles funcionam como se fossem um fundo imobiliário, mas do setor agro. Como o Brasil é muito desenvolvido nesse segmento, é um produto que os investidores devem ficar de olho. É uma boa oportunidade”, ressalta. Neste mês, inclusive, aconteceu o início das negociações do primeiro Fiagro, o Fundo Riza Agro-Fiagro Imobiliário, na B3. Ainda sem histórico de ganhos, mas que vem sendo visto com bons olhos pelos gestores e analistas do mercado.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 10h10
Ibovespa tem tendência de queda com inflação e Petrobras se mantendo no radar

Investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Fed

3 min
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

3 min
Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato

5 min
Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 19h58
‘Travamos o bom combate’, disse Coelho, por WhatsApp, em mensagem de despedida

Funcionários relatam clima de falta de rumo com demissão de José Mauro Coelho; indicado para o posto é Caio Paes de Andrade

3 min
Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h18
ADRs da Petrobras recuam 3,8% em NY com troca no comando e data de corte de dividendos

Os recibos de ações (ADRs) referenciados nas ações ordinárias da Petrobras fecharam em queda de 3,80% na bolsa de Nova York

1 min
Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

2 min
Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa

2 min