Investimentos: O que fazer dos ativos atrelados ao IPCA?

Investidor pode até aumentar a exposição em produtos ligados ao índice

IPCA está presente no cotidiano dos brasileiros em tudo que pode-se imaginar
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Resultado veio abaixo do que o mercado esperava, que era uma alta de 0,6%
  • Inflação ainda está bastante alta

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que é a inflação oficial do país, foi de 0,47% em maio, uma queda em relação ao que foi apurado pelo IBGE em abril, de 1,06%. Nos últimos 12 meses, o índice passou acumular alta de 11,73%, contra o 12,13% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Por que a inflação caiu?

A queda no preço de alguns itens empurraram o IPCA para baixo. Dois exemplos: o custo da energia elétrica e a desaceleração dos preços dos alimentos. “O resultado veio abaixo do que o mercado esperava, que era uma alta de 0,6%, e tivemos 0,47%. Estamos vendo uma desaceleração da inflação”, disse Victor Vietti, especialista líder em investimentos do Itaú Unibanco, Victor Vietti.

O que deve acontecer com a inflação daqui para frente?

Victor explica que, de maneira geral, devemos ter uma desaceleração da inflação. “Ela deve continuar caindo nos próximos meses.” Abaixo, você acompanha a entrevista que Victor concedeu à repórter e apresentadora da Inteligência Financeira, Isabella Carvalho:

Qual impacto da queda da inflação nos investimentos?

Segundo Victor, títulos atrelados ao IPCA, como o IPCA+, do Tesouro Direto, terão a rentabilidade reduzida, mas há que se considerar um ponto importante. “A inflação ainda está bastante alta. Então, o investidor não precisa sair dos ativos de inflação e ir para outros com maior risco. É melhor manter no investimento e, dependendo do perfil de risco, até aumentar a exposição”, afirma Victor.

O que é o IPCA?

O IPCA foi criado em 1979 para medir o nível de preços de bens e serviços disponíveis na nossa economia. Em outras palavras: ele é um índice de inflação que acompanha o preço daquilo que as famílias brasileiras compram e consomem. 

Como o IPCA é calculado?

O índice é medido e calculado pelo IBGE todos os meses. Para chegar ao valor, o IBGE faz uma pesquisa de preços em estabelecimentos comerciais e prestadoras de serviços nas principais áreas urbanas do país. A pesquisa é feita todos os dias, considerando o valor à vista dos itens. O levantamento inclui cerca de 400 mil preços de 30 mil estabelecimentos. O “recheio” é variado: são analisados desde itens básicos, como arroz e feijão, até mensalidade escolar, consulta médica e atividades de lazer.

Atualmente, 377 itens têm seus preços coletados todos os meses, divididos em nove grupos: alimentação e bebidas; habitação; artigos de residência; vestuário; transportes; saúde e cuidados pessoais; despesas pessoais; educação e comunicação. Cada categoria e região do país tem um peso no resultado final. Itens de alimentação, por exemplo, costumam ter um peso maior que vestuário. Essa coleta de preços é repetida mês a mês, com comparativos que mostram se a inflação aumentou ou diminuiu.

Por que o IPCA sobe ou desce?

Geralmente, os preços de uma economia se ajustam pela oferta e demanda. Ou seja, o preço de um produto ou serviço tende a subir quando a procura aumenta e a oferta permanece igual ou diminui. O contrário também pode acontecer. Mas, outros fatores também contribuem para a variação da inflação, como, por exemplo, os resultados das safras de alimentos, preço do dólar e gastos públicos.

Um ponto importante: a redução do IPCA não significa que os preços gerais diminuíram. Nesse caso, eles aumentaram menos do que no mês anterior. A deflação, que é a queda dos preços, só acontece se o IPCA for negativo. 

A Inteligência Financeira é um canal jornalístico e este conteúdo não deve ser interpretado como uma recomendação de compra ou venda de investimentos. Antes de investir, verifique seu perfil de investidor, seus objetivos e mantenha-se sempre bem informado.

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo