Fundos de renda fixa são os queridinhos dos investidores; veja como eles funcionam

Aumenta o volume investido na classe de ativos

Títulos prefixados: você deve fugir deles?
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • Se os juros continuarem subindo, os fundos de renda fixa seguirão favorecidos

Os fundos de renda fixa voltaram a apresentar captação líquida positiva, ou seja, mais aportes do que resgates, na primeira semana de junho. O saldo líquido deles no mês era negativo em R$ 3,5 bilhões em 1º de junho, mas ficou positivo em R$ 600 milhões em 8 de junho, conforme os dados da Anbima.

Como estão os fundos de renda fixa hoje?

Os fundos de renda fixa estavam passando por uma escalada de aplicações como aumento de juros no Brasil e a alta volatilidade do mercado. A Selic, taxa básica de juros da economia, está em 12,75%, o nível mais avançado desde o começo de 2017.

O Banco Central decidirá de novo a Selic nesta quarta-feira (15). A Anbima projeta que se os juros continuarem elevados por um longo período, os fundos de renda fixa devem seguir sendo favorecidos. A classe ainda acumula captação líquida positiva de R$ 99,7 bilhões neste ano.

Os fundos de investimento como um todo apresentam captação líquida positiva de R$ 10,4 bilhões em junho e de R$ 46,2 bilhões neste ano.

O que são os fundos de renda fixa?

A renda fixa é uma classe de ativos que tem regras para remunerar seus investidores. Essas regras são determinadas logo que você aplica, e determinam o prazo e a forma que a remuneração vai ser paga. Ou seja, você consegue pelo menos fazer uma estimativa do retorno que ele vai obter, entendendo o índice de referência no momento da aplicação, o chamado benchmark.

Tesouro Direto, CDBs e LCIs são alguns exemplos de investimentos em renda fixa.

A renda fixa é a categoria de investimento mais popular no Brasil. A caderneta de poupança, principalmente, ainda tem muito destaque. De acordo com a Anbima, um a cada três investidores tem dinheiro na caderneta.

Qual valor mínimo para investir em renda fixa?

Investimentos em renda fixa podem ser feitos com pouco dinheiro. Com R$ 30, por exemplo, é possível comprar um título público. Mas há fundos de investimento em renda fixa que exigem aportes iniciais de R$ 1.

Reserva de emergência é feita com renda fixa

Quando o assunto é reserva de emergência, a renda fixa é a opção mais procurada. Nela, é possível guardar dinheiro com alguma rentabilidade e menos riscos.  

Quer entender mais sobre renda fixa? Então não perca o vídeo abaixo:

O que é melhor: investir em fundos ou comprando ativos por conta própria?

Um dos principais pontos positivos para se investir via fundos é o conforto de terceirizar a gestão do investimento. O investidor que não é acostumado a negociar títulos como CDBs e LCAs não precisa ter o trabalho de procurar os melhores ativos para compor a carteira. 

Agora, se você confia seu dinheiro a um gestor, pesquise sobre o tipo de administração do fundo. Alguns são referenciados, o que significa que precisam investir 95% do patrimônio em títulos atrelados a indexadores como Selic  e DI. Estes têm uma gestão mais passiva, então as taxas de performance costumam ser menores.

O que são os fundos referenciados?

Há ainda os fundos não referenciados, aqueles em que os gestores têm mais liberdade para fazer os aportes. Nesses casos, as taxas tendem a ser um pouco mais altas. Além da comodidade, contar com profissionais certificados e que acompanham o mercado o tempo inteiro pode ser uma boa.

Como é a liquidez dos fundos de renda fixa?

Outra vantagem dos fundos de investimento em renda fixa é a liquidez. É comum que investidores tenham objetivos de curto prazo e façam investimentos de até seis meses, o que é pouco, considerando que a tendência é que a rentabilidade aumente enquanto o tempo passa. 

Para quem tem essa necessidade de sair rapidamente de um papel, estar em fundo que tem liquidez  diária é uma boa. “Existem fundos com esse perfil (de liquidez diária) que não penalizam muito a rentabilidade. É bom para quem quer monta uma reserva de emergência ou tem objetivos de curto prazo”. 

Autonomia é vantagem para investidores

A comodidade, vista como vantagem para investir via fundos, pode não valer a pena para algumas pessoas. Há quem prefira ter autonomia dos ativos onde investe e controlar sozinho o portfólio de renda fixa. Quem investe diretamente nos títulos é quem tem um pouco mais de capital para aplicar.

Onde encontrar taxas menores?

Uma opção de taxas menores são os títulos do Tesouro Direto, que rendem a obrigação do pagamento de taxas, mas elas são bem menores na comparação com as taxas de administração e as de performance. Portanto, é um argumento usado por quem prefere investir diretamente nos ativos de renda fixa.

Com conteúdo do site Valor Investe, um veículo Globo Notícias

A Inteligência Financeira é um canal jornalístico e este conteúdo não deve ser interpretado como uma recomendação de compra ou venda de investimentos. Antes de investir, verifique seu perfil de investidor, seus objetivos e mantenha-se sempre bem informado.

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 17h13
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq fecha trimestre com queda de 1%

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 10h21