Fundos investem bilhões em BDRs. O que você deve fazer?

Com o aumento da oferta, a procura também cresceu; papéis de tecnologia são os queridinhos do mercado

Pontos-chave

  • De cada dez ações de empresas estrangeiras mais negociadas no Brasil, sete são de tecnologia
  • Aposta no setor lá fora acontece por falta de opções no Brasil, mas tem seus riscos

Desde que os BDRs foram abertos para qualquer investidor (antes, eram restritos àqueles que tinham mais de R$ 1 milhão em investimentos), esses papéis ganharam muita relevância. A oferta aumentou e a procura também. O resultado disso foi um aumento da procura de fundos de investimento por esses papéis. 

A Quantum Finance, empresa que fornece dados e ferramentas para o mercado financeiro, analisou os 510 BDRs disponíveis atualmente no mercado e levantou os dez mais procurados por fundos brasileiros. O top 10 está recheado de empresas de tecnologia, com o mercado colocando mais de R$ 1 bilhão em quatro papéis apenas desse setor. 

Fonte: Quantum Finance

Por que tanta tecnologia? 

Sete das dez ações estrangeiras mais procuradas por fundos brasileiros são do setor de tecnologia. Para Alberto Amparo, analista da Suno Research, a procura pelo setor lá fora acontece porque o Brasil não oferece tantas opções de empresas de tecnologia. 

Outro fator que explica a preferência pelas big techs norte-americanas é a consolidação dessas empresas. “Nos Estados Unidos você encontra mais empresas com o modelo de negócio já comprovadamente rentável, com vantagens competitivas em diversos nichos”, explica Amparo. Essa maturidade do mercado norte-americano é o que mais atrai os fundos brasileiros. 

A festa, porém, não acontece sem ameaças. As empresas de tecnologia são beneficiadas por taxas de juros baixas nos Estados Unidos, fator que atrai mais investidores e joga o valuation dessas companhias nas alturas. “Se os juros sobem, com escassez de liquidez, essas empresas terão um choque no preço”, segundo Alberto Amparo. Se essa fuga do setor de tecnologia acontecer, a tendência é que investidores procurem setores mais consolidados, com empresas que geram lucro há muito tempo, algo difícil de encontrar em tecnologia. 

Você deve seguir os fundos?

A estratégia dos fundos não precisa, necessariamente, estar na sua carteira. O investidor de varejo está procurando cada vez mais as empresas de tecnologia porque elas fazem parte, de alguma forma, de suas vidas. Os papéis de Meta (Facebook), Apple, Amazon, Netflix e Google (Alphabet), grupo apelidado de FAANG, estão entre os preferidos dos fundos e pessoas físicas.

Porém, Alberto Amparo faz um alerta: “Tem muito investidor olhando para o retrovisor (o que aconteceu no passado) e não para o para-brisa (o que vai acontecer no futuro)”. Aqui, entra o velho lembrete: rentabilidade passada não é garantia de retorno futuro. Os preços dessas ações estão caros, com múltiplos alavancados. “Quando você compra uma ação, quer pagar o mais barato possível pelo ativo”, lembra Amparo. Pense nisso na hora de investir nas empresas estrangeiras de tecnologia.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 10h46
Ibovespa começa semana em alta acompanhando pares globais

Investidores monitoram de perto os riscos fiscais e políticos

2 min
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h44
IF Hoje: Indicadores da atividade econômica nos EUA são destaque

No Brasil, atenções estão no risco fiscal e na mudança de gestão na Petrobras

2 min
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h26
Dólar deve permanecer pressionado no exterior com melhor desempenho de mercado global de ações

O dólar inicia a semana mais fraco no mercado internacional, de olho nos proximos movimentos do banco central dos EUA

4 min
Valor Econômico Publicado em 27.jun.2022 às 07h48
Risco-Brasil aumenta e ativos locais têm piora com discussão fiscal

Medidas em debate para mitigar alta dos combustíveis geram desconfiança entre investidores

8 min
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 07h37
‘Teremos petróleo elevado dois ou três anos’ , afirma CEO da 3R Petroleum

Executivo vê cotação do barril alta por mais tempo, o que favorece produção, mas diz que a saída não é ‘mudar arcabouços legais por razões transitórias’

9 min