ETFs temáticos: estude antes de investir

Fundos investem em empresas de diversos setores, geralmente fora do Brasil

Invista em ETFs temáticos
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • O objetivo desta classe de ativos é perseguir setores em destaque
  • É importante pesquisar sobre o fundo antes de investir
  • Os ETFs são renda variável e têm volatilidade

Os ETFs (Exchange Traded Fund), fundos que replicam o desempenho de índices, são uma classe de ativos cada vez mais popular no Brasil. Segundo dados da B3, os investidores movimentaram, em média, R$ 31,2 bilhões por mês neste ano comprando ou vendendo cotas desses fundos. O número representa um aumento de 3% em relação à média mensal de 2020. A ideia dos ETF é dar a você, investidor e investidora, a oportunidade de diversificar sua carteira. E quando o assunto são os ETFs temáticos, a diversificação é cada vez maior e mais específica. 

O que são ETFs temáticos 

Os ETFs temáticos são fundos de investimento ligados a assuntos específicos, como responsabilidade social, tecnologia, saúde e inovação genética. Os gestores replicam o desempenho de índices ligados a diversos temas que vão moldar nossas vidas em alguns anos. Eles já estão sendo chamados de megatendências. Alguns exemplos práticos: a Itaú Asset oferece o DNAI11, fundo que investe em empresas que tendem a se beneficiar do desenvolvimento de produtos e serviços relacionados a sequenciamento genético na área de saúde e agricultura. Outro fundo é o MILL11, que captura novidades ligadas à geração millennial. Os dois estão listados na B3. Para investir neles e em outros ETFs temáticos basta ter conta em uma correta e procurar pelos ativos lá. Eles são negociados como as ações. 

Para quem curte risco

Se você não tem disponibilidade ou paciência para deixar seu dinheiro em um desses fundos por pelo menos um ano, esse tipo de investimento não é o mais adequado para sua carteira. “Com os investimentos temáticos nós oferecemos uma visão de médio a longo prazo”, explica Renato Eid, superintendente de Estratégia Beta e Integração ESG da Itaú Asset. Quem coloca ETFs temáticos na carteira está subindo de patamar quando o assunto é diversificação. Isso porque esses fundos investem em empresas de diversos setores, geralmente fora do Brasil. Quando o assunto é alocação, não há receita pronta. O investidor precisa saber quanto risco está disposto a correr, o quanto confia no crescimento daquele setor e qual o objetivo do investimento. 

Estude antes de investir

O primeiro item a ser colocado na ponta do lápis é o básico: os ETFs temáticos são ativos de renda variável, que, por natureza, apresentam volatilidade. O investidor precisa de estômago para aguentar a variação dos preços e focar no longo prazo. É importante também estar atento na variação cambial, já que esses fundos investem em empresas de fora do Brasil – o que não é regra, mas é o cenário mais comum. 

Depois, é preciso saber pelo menos o básico sobre o setor onde você está investindo. “O investidor deve ter um prognóstico do tema em que escolheu aportar seu dinheiro e estimar como será o desempenho daquele setor em relação a outros”, ensina Pedro Paulo Silveira, gestor de investimentos da Nova Futura Gestora de Recursos. 

Ainda é interessante conhecer as empresas nas quais o fundo investe. As gestoras disponibilizam em seus sites todas as informações sobre os ETFs que oferecem, inclusive qual índice tem seu despenho espelhado pelo fundo. A partir daí, dá para pesquisar sobre as empresas que compõem o índice. No fim do dia, é nelas que você está colocando seu dinheiro. 

Mesmo depois de conhecer tudo sobre as empresas, o trabalho ainda não está pronto. É preciso saber quanto a gestora cobra com taxa de administração ou taxa de desempenho. E, o mais importante: tenha paciência.


Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Redação IF

Atualizado em 07.dez.2021 às 12h04

Poupança deve voltar a ter rendimento pela regra antiga após reunião do Copom; entenda como funciona e onde investir

Com uma Selic acima de 8,5% ao ano, poupança passará a ter retorno fixo de 0,5% ao mês + TR, ou 6,17% ao ano. Mesmo rendendo mais, aplicação segue perdendo para a inflação

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 16h17

Saques na poupança superam depósitos em R$ 12,3 bilhões em novembro

Foi o quarto mês seguido com saída líquida de recursos da modalidade de investimento

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses

Isabella Carvalho

Publicado em 03.dez.2021 às 17h13

Cinco dicas para escolher um fundo de investimento

Só durante a pandemia foram lançados 3.201 fundos. Com tantas opções no mercado, você deve analisar alguns pontos para fazer a melhor seleção

Anne Dias

Atualizado em 03.dez.2021 às 18h39

“Meu erro é não parar para estudar mais sobre o que fazer com o dinheiro”

O filósofo Magnus Cesar Bouchardet tem uma paixão: a bicicleta. E um problema: a má organização das finanças

Leonardo Guimarães

Atualizado em 06.dez.2021 às 10h24

Queda de 0,1% do PIB pode mudar a trajetória da Selic e, radicalmente, a dos seus investimentos

Desaceleração do PIB no terceiro trimestre pode parecer pequena, mas o fraco desempenho da economia afeta o seu bolso

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h41

Com loja parada, ação de grandes redes cai

Expectativas começam a ser reduzidas e investidor vem “precificando” um mês de dezembro difícil