É possível ganhar dinheiro com a volatilidade do mercado?

Se você investe em renda variável, pode esperar um ano com fortes emoções, mas também com grandes oportunidades

Volatilidade: o que é isso? o que eu faço? Por que o ano 2022 vai ficar tão volátil?
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Setores como o de commodities e o financeiro são beneficiados neste período
  • Investir em ativos com mais risco requer conhecimento, informação e estratégia de longo prazo

Você já deve ter lido aqui mesmo, na Inteligência Financeira, que 2022 será um ano volátil quando o assunto é investimentos. Mas, por que isso deve acontecer? “A volatilidade tem a ver com a variação de preços. É comum que ela seja associada a riscos e esteja presente em períodos de maior incerteza. Historicamente, anos eleitorais trazem mais volatilidade para inúmeros ativos. Além disso, têm outras coisas acontecendo que afetam os investidores brasileiros, como a retirada de estímulos monetários nos Estados Unidos e o aumento de juros no Brasil. Tudo isso contribui para um cenário mais instável”, explica Gustavo Akamine, analista da Constância Investimentos.

Ou seja, se você investe na Bolsa e em ativos de renda variável, pode esperar por um ano com fortes emoções. Mas, a volatilidade por si só não é sinônimo de risco. É nela também que aparecem boas oportunidades de investimento. “É comum que todos os ativos sofram com essa variação, mesmo que eles não tenham tanto a ver com as mudanças de cenário. Muitas vezes o mercado cai como um todo, o que abre oportunidades para investir se você estiver disposto a manter sua estratégia por um período maior a ponto de normalizar esse risco”, explica Gustavo. 

A saída é pensar no longo prazo

Ganhar dinheiro nesse cenário, portanto, significa entender que o sobe e desce do mercado financeiro faz parte do jogo, e que manter uma estratégia de longo prazo pode ser uma boa saída. “O mercado brasileiro está sendo muito penalizado em relação ao passado e a outros mercados e moedas. Nesse momento, acreditamos que os ativos estão desvalorizados. Portanto, as empresas brasileiras estão baratas. Para o investidor de longo prazo é um cenário interessante”, ressalta Gustavo. 

No que você deve prestar atenção?

Alguns setores acabam se beneficiando deste período de volatilidade, despertando a atenção dos investidores. “Temos inúmeras empresas de commodities no Brasil que são exportadoras e, no período de depreciação do câmbio, elas tendem a se valorizar mais. É o que temos visto nas últimas semanas. Além disso, com juros mais altos, os bancos também se beneficiaram”, explica Gustavo. 

Apesar das oportunidades, fica um alerta: investir em ativos mais arriscados requer conhecimento e informação. “É fundamental aprender mais sobre o tema, entender os riscos e que é possível ter ganhos expressivos, mas também perdas expressivas. É importante também reservar uma parcela de dinheiro que não vai fazer falta. A dica é olhar para um horizonte que ultrapasse os riscos atuais”, ressalta o assessor. 


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 19h54
Principais índices dos EUA estendem a série de semanas de ações no vermelho; o que esperar?

Todos os três índices terminaram a semana em queda de pelo menos 2,9%

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

Papo de Finanças Publicado em 20.maio.2022 às 17h09
Você confia no robô-investidor?

O robô investidor é um algoritmo que negocia ativos financeiros sozinho. Saiba como eles funcionam no Papo de Finanças

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 15h02
Vale a pena usar o FGTS para investir na Eletrobras? Conheça a resposta aqui

Aplicação no FGTS-Vale rendeu 2.233% desde 2002. Rendimento do Fundo foi bem menor, de 136% no período

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 14h27
Ação do Nubank cai quase 9%, mesmo após BTG ter elevado recomendação para ‘neutra’

Nubank agora tem um valor de mercado de US$ 19,9 bilhões, abaixo de Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil