Dica do especialista: LCA, fundo DI e crédito privado de curto prazo têm liquidez e baixo risco

A ideia é ter alta liquidez, risco controlável e aproveitar a alta da Selic, porque o Copom já indicou que pode baixar os juros em breve

Mão retira dinheiro de bolso com botões indicando gráficos financeiros
– Ilustração: IF/Marcelo Andreguetti

Pontos-chave

  • Aproveite a alta da Selic, porque o Copom já indicou que deve baixar os juros

O que fazer com um dinheiro extra que você sabe que vai precisar dele em 6 meses ou 1 ano? A ideia é ter a menor perda possível, com risco relativamente baixo, já que o capital já tem destino no curto prazo.

O especialista em investimentos do Itaú Unibanco, Caio Camargo, lembra três ativos que cumprem bem essa função:

  • LCA;
  • Fundo DI;
  • Crédito privado conservador.

“A ideia é ter alta liquidez, risco controlável e aproveitar a alta da Selic, porque o Copom já indicou que deve baixar os juros nas próximas reuniões”, afirmou Caio no Manhã Inteligente desta quarta-feira (22).

O que é a LCA?

LCA é a sigla para Letra de Crédito do Agronegócio (LCA). O papel faz parte da classe de ativos de renda fixa e é emitido por instituições financeiras públicas e privadas. Tudo o que é captado pelas LCA viram empréstimos para produtores rurais comprar máquinas e matérias-primas. Uma das grandes vantagens da LCA é o fato dela ser isenta de Imposto de Renda e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). O FGC cobre o papel.

Existem três tipos de LCAs:

1. LCA Prefixada 

Na LCA Prefixada, você sabe quanto o papel vai render assim que investe. Em geral, ela é indicada quando há tendência de queda dos juros. 

2. LCA Pós-fixada 

Aqui, a taxa de é atrelada a um indexador, como o CDI

3. LCA Híbrida 

Já a LCA híbrida tem uma parcela pós-fixada a um indexador e outra definida no contrato. 

Fundo DI: investimento em Tesouro Direto

Os Fundos DI são fundos de renda fixa atreladas ao DI. Eles têm, no mínimo, 95% do seu patrimônio em Títulos Públicos atrelados à SELIC. São considerados pelos planejadores financeiros com uma boa alternativa para formação de reserva de emergência. Os Fundos DIs cobram taxas de administração e Imposto de Renda e não são cobertos pelo FGC.

Crédito privado

Crédito privado nada mais é do que você emprestar seu dinheiro para uma empresa. De uma maneira robusta, o crédito privado é uma emissão de títulos de renda fixa adquiridos por investidores que se tornam credores de empresas, que buscam capital para seus projetos. Os títulos são emitidos por instituições intermediadoras.

Exemplos de papéis de crédito privado:

Debêntures;

CRIs;

CRAs;

FIDC.

Sobre o Nosso Manhã Inteligente

Vem com a gente: o Manhã Inteligente acontece de segunda a sexta-feira, aqui no site da Inteligência Financeira e também nas nossas redes sociais (Linkedin e Instagram) e YouTube, sempre às 9h30.

A Inteligência Financeira é um canal jornalístico e este conteúdo não deve ser interpretado como uma recomendação de compra ou venda de investimentos. Antes de investir, verifique seu perfil de investidor, seus objetivos e mantenha-se sempre bem informado.

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia