Como investir em criptoativos?

Por alta valorização ou quedas assustadoras, as criptomoedas têm se destacado quando o assunto é investimento

– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Criptoativos aparecem como a terceira modalidade preferida dos investidores, segundo estudo da FGV/EESP e Hashdex
  • O investimento em criptomoedas pode ser feito por exchanges, fundos de investimento, peer to peer e pelos ETFs

Em agosto deste ano, a FGV/EESP e a gestora especializada em criptomoedas Hashdex divulgaram a pesquisa “Percepção e motivação de investidores brasileiros quanto a criptoativos”, em parceria com a University Blockchain Research Initiative (UBRI). O objetivo era mapear o perfil de quem investe nas criptos via plataformas. 

Os criptoativos apareceram como a terceira modalidade preferida dos 576 entrevistados: 28% afirmaram que alocariam dinheiro nesta classe de ativos. As criptos perderam apenas para as ações (72% da preferência) e os títulos privados de renda fixa (41%). Mesmo com a volatilidade, os criptoativos estão chamando atenção dos investidores. 

Mas, atenção: segundo Roberta Antunes, chefe de expansão da Hashdex, não existe um momento certo para entrar neste mercado. No caso do bitcoin, os altos e baixos fazem parte do processo. “Não tem como prever o tempo ideal. Bitcoin é um ativo de alta volatilidade”, afirma.

Compra e venda de criptomoedas 

Exchanges 

Uma das maneiras mais fáceis de investir em bitcoins e outros criptoativos é via corretora de criptomoedas, também conhecida como exchange. Nesse caso, o investidor tem acesso a um portfólio de ativos e pode definir o valor do aporte, que é feito em reais e convertido na moeda digital. A maioria das exchanges aceitam depósitos via Pix. 

Fundos de investimento 

Os fundos de investimento funcionam da mesma forma que os fundos de multimercado, ações ou fundos imobiliários: o investidor compra uma cota, sem se apoderar dos ativos, e um gestor fica responsável pela administração do fundo. São cobradas taxas de administração ou, em alguns casos, de performance. 

Peer to peer 

É a negociação direta entre duas pessoas, sem intermediários. Nesse caso, não é preciso criar uma ordem de compra, como nas exchanges, e a transferência de criptomoedas é feita de forma mais ágil e barata. Os negociadores conversam entre si e o comprador encaminha a transferência, o comprovante e o ID de envio das criptos. Em seguida, aguarda o recebimento. Mas, fique atento: apesar de mais rápida, a negociação peer to peer requer cuidados, já que há riscos de fraude. 

ETFs 

Você também pode investir em criptomoedas por meio de um ETF disponível na Bolsa de Valores. A opção é recente – o primeiro a ser negociado na bolsa brasileira foi o HASH11, lançado pela Hashdex em abril de 2021. ETF é um fundo de investimento que tem como referência um determinado índice. O HASH11, por exemplo, replica o Nasdaq Crypto Index (NCI), que inclui outras moedas além do bitcoin. O ETF é negociado em Bolsa e segue as oscilações do seu índice. 

Com quanto começar? 

Não existe uma fórmula mágica ou um valor exato para investir em criptomoedas. “Para quem está começando, o ideal seria ter algo em torno de 1% do portfólio em cripto. Nesse caso, os riscos são menores”, afirma Rudá Pellini, fundador da Wise&Trust e autor do livro O futuro do dinheiro (Editora Gente). 

Na visão dele, antes mesmo de reservar uma parte do patrimônio para investir nesses ativos, é importante se informar. “Não é uma coisa tão trivial e fácil de entender, como um PIX. Não faz sentido entrar nesse negócio sem conhecer”, diz Pellini. 


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA