De olho nas pesquisas: como o investidor pode tirar proveito das especulações eleitorais

Avaliar as falas dos candidatos está entre as recomendações para quem busca oportunidades de investimento

Como tomar proveito das especulações eleitorais?
Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Análise feita desde 2002 mostra que ações de estatais são mais arriscadas
  • Propostas liberais e que fujam do intervencionismo em estatais tendem a animar o mercado

Uma sondagem realizada pela Anbima em parceria com o Datafolha analisou a influência das eleições deste ano na tomada de decisões do investidor brasileiro. O levantamento, feito com 5,8 mil pessoas em todas as regiões do país, apontou que 38% dos entrevistados avaliam reduzir a intenção de fazer um novo investimento por conta processo eleitoral, enquanto 21% consideram ampliar as aplicações em razão do pleito. Já 41% disseram que o evento será indiferente na hora de selecionar um produto financeiro.

A divergência de opiniões está relacionada a uma expectativa de volatidade no mercado nos próximos meses com o início das campanhas, debates na TV e pesquisas se tornando mais frequentes. Por isso, para a Anbima, a diferença de percepção sobre a importância da escolha do novo presidente da República tem a ver com o perfil de cada investidor. “Onde um vê risco, outro enxerga oportunidade”, destaca a entidade.

A Inteligência Financeira consultou especialistas, acostumados a lidar com as oscilação provocadas pelas especulações eleitorais, para saber como o investidor pessoa física pode analisar o cenário com cautela e usar as informações a favor de seu carteira.

Empresas com histórico

De um modo geral, considerando o mercado de ações no Brasil, uma análise feita pela Ativa Investimentos desde a corrida presidencial de 2002 aponta que as empresas estatais listadas na Bolsa de Valores trazem um cenário binário. “Dependendo do candidato vencedor, em relação à condução econômica do país, (os papéis) se tornam extremamente voláteis e aderentes ao direcional das notícias e pesquisas, o que na nossa visão, trata-se de um risco desnecessário. Ou seja, achamos que o retorno esperado nas estatais ainda não vale o risco implícito e preferimos nomes privados”, diz Pedro Serra, gerente de research da Ativa. “Além disso, empresas que possuem uma dinâmica mais própria de crescimento e com histórico comprovado podem ser boas escolhas até ser possível criar cenários com base nos candidatos que poderão governar o nosso país nos próximos quatro anos”, acrescenta.

Atenção às intenções de voto

Para o investidor que pretende tomar uma posição baseada nas notícias eleitorais, a recomendação é estar atento às pesquisas de intenção de voto, identificar os favoritos e acompanhar as falas públicas dos candidatos no quesito economia. “Entre os assuntos importantes estão as reformas que promovem um cenário mais pró-mercado ou mais gerencia fiscal. Propostas mais liberais e que fujam do intervencionismo em estatais tendem a animar o mercado, assim como um posicionamento alinhado com parceiros comerciais relevantes, como Estados Unidos e China, também são pontos importantes a ficar de olho”, comenta Felipe Vella, analista de renda variável da Ativa.

Fique de olho nas ideias e nos planos dos candidatos

Em seguida, a sugestão é conferir as ideias, planos e os nomes sondados para a equipe econômica de quem pode subir a rampa do Palácio do Planalto em 2023. “É relevante saber quem serão os formuladores do plano econômico que será implementado e as estatais evidenciam a volatilidade”, diz Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos. “Se for um candidato com viés mais intervencionista, a estatais não seriam boas de ter na carteira nos próximos anos. Já se é um postulante com um postura de livre mercado, assim as companhias voltam aos holofotes para os próximos anos”, explica.

Acompanhe a opinião dos especialistas

Na sequência de dicas para quem quer se guiar pelo cenário eleitoral, outra instrução que pode ser relevante para organizar melhor uma decisão é de tomar conhecimento de relatórios ou comentários de gestores, analistas, estrategistas e economistas sobre o que os mesmos esperam caso cada um dos candidatos envolvidos na disputa vença. O especialista da RB Investimentos destaca ainda a importância de separar convicções pessoais do que realmente pode ser melhor para a carteira de investimentos. “É parecido como uma tese de ações. Você pode achar que uma empresa é melhor que a outra, mas se o mercado não concorda com sua avaliação, não tem o que fazer. Você vai ter que se adaptar caso não queria ter um prejuízo financeiro”, completa.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 11h35
Análise: De olho no voto útil, Lula retoma pontes com empresários e empodera “guru” econômico

Ex-presidente, antes refratário a assumir compromissos na campanha, antecipa série de conversas com o PIB, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições