As turbulências no mercado afetaram os fundos de investimentos ligados ao agronegócio?

Apesar da queda do setor no terceiro trimestre, o Fiagro deve crescer no ano que vem

Fiagro
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • A queda do setor foi pontual, com seca, quebra de safra, crise hídrica e transporte mais caro
  • Em menos de seis meses, a CVM recebeu 30 registros de lançamento de fundos agroindustriais
  • Os investimentos vão avançar principalmente para trazer novas tecnologias para o campo

A receita do setor agropecuário em geral caiu 8% no terceiro trimestre de 2021 em relação ao trimestre anterior, puxando a queda de 0,1% do PIB do período. De acordo com o IBGE, essa foi a pior queda trimestral do setor desde o primeiro trimestre de 2012. Segundo Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, o resultado foi uma junção de alguns fatores. “O setor enfrentou um dos piores cenários com seca, quebra de safra, crise hídrica e transporte mais caro. Isso tudo levou a uma queda mais forte.”

Com as turbulências no mercado, surge a dúvida: como ficam os investimentos ligados ao setor? Na visão de Gustavo, não há motivo para pânico. “O primeiro semestre foi muito bom para o agronegócio. O setor conseguiu passar por esse ano sem muito impacto. Foi algo pontual. O agro tem sido um dos setores que mais se destacam, com muitas empresas vindo ao mercado, seja para fazer IPO ou buscar recursos pelo Fiagro, por exemplo”, ressalta.

Os Fundos de Investimento das Cadeias Agroindustriais (Fiagro) estão, inclusive, entre as prioridades na agenda regulatória da CVM para 2022. “Desde que lançamos a norma provisória e experimental que possibilitou a constituição de Fiagro já tivemos quase 30 registros, revelando o potencial desse veículo de investimento coletivo especificamente criado para aplicar recursos no agronegócio brasileiro”, afirma Antonio Berwanger, superintendente de desenvolvimento de mercado da CVM em comunicado.

O que você deve esperar para o ano que vem?

Para o próximo ano, segundo Gustavo, podemos esperar um crescimento do agronegócio e dos investimentos ligados ao setor. “O agro ainda é tímido em termos de mercado. Tem muitas empresas passando por profissionalização, trazendo mais tecnologia para o campo. Ou seja, ainda é um setor que tem muito a crescer”, ressalta. 

O estrategista entende que os produtos de investimento ligados ao setor são boas indicações, e, para o ano que vem, devem ganhar mais espaço. “Por ser um produto novo, o Fiagro ainda tem pouca cobertura, mas eu entendo que é um investimento interessante. É uma boa oportunidade para aproveitar esse crescimento do mercado”, afirma Gustavo.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA