Ano ruim para os BDRs de tecnologia: veja as recomendações dos analistas

Em 2021, os recibos movimentaram R$ 91,4 bilhões, mas o momento não é dos melhores

Pontos-chave

  • Brasileiros preferem ações de tecnologia, setor não muito presente na B3
  • BDRs expõem os investidores a um risco país diferente

Desde que foram habilitadas aos investidores pessoa física, em outubro de 2020, os BDRs entraram na carteira de muitos brasileiros. Em 2021, o mercado destes recibos chegou a movimentar R$ 91,4 bilhões e neste ano já movimentou R$ 31,5 bilhões. Em sua maioria, os investidores locais preferem ações de tecnologia, setor não muito presente na Bolsa brasileira. Todos os dez BDRs mais negociados no ano passado são de empresas com forte veia tecnológica. Mas, hoje, em um momento de baixa das ações americanas de tecnologia, elas ainda fazem sentido na carteira?

BDRs mais negociados de 2021:

“O momento não é o melhor para ações de tecnologia, mas em termos de alocação, de estratégia de investimento, BDRs fazem sentido porque você se expõe a um risco país diferente, tem uma correlação com o dólar e há ativos puros de tecnologia que não se tem ainda no Brasil, proporcionando uma diversificação para a carteira”, afirma Gabriela Joubert, analista-chefe do Inter.

O ciclo de alta de juros, a forte inflação e a previsão de recessão nos Estados Unidos prejudicam, em especial, os papéis de tecnologia, já que o setor ainda está em uma curva de crescimento. “Este ano o cenário está mais apertado para empresas de tecnologia, mas pensando no longo prazo, estar em tecnologia faz todo o sentido. É um momento bastante oportuno para se aumentar a exposição a BDRs, com o dólar mais baixo, papéis estão mais baratos. Só pela variação cambial já é possível ter retorno”, diz Gabriela. “Não víamos uma queda tão abrupta das ações de tecnologia desde 2008, o que é uma grande oportunidade pensando em um prazo de três a cinco anos. Estas não são ações para se especular”, afirma Thiago Lobão, CEO da Catarina Capital.

Papéis defensivos

Na opinião de Gabriela, do Inter, alguns papéis de tecnologia são mais defensivos, como Google e Microsoft. Uma aposta mais ousada são as varejistas, como Amazon. “São títulos interessantes para se tentar surfar a onda de recuperação do varejo e ao mesmo tempo investir em tecnologia, mas, no curtíssimo prazo, tem muito risco, pode ser que os EUA tenha um ciclo de aumento de juros mais agressivo.”

Lobão também tem preferência pela Microsoft. “Sempre gostamos mais de Microsoft do que das outras. É uma companhia muito necessária no dia a dia de empresas e está menos exposta a volatilidade macroeconômica.” Outra recomendação são empresas de segurança cibernética.

Meta e Tesla na berlinda

A Meta (ex-Facebook) não é uma das preferidas. “Temos receio quanto ao Facebook, que está migrando para o Metaverso sem deixar claro qual será sua nova disposição de produtos”, diz Lobão. A Tesla também é menos indicada. “Ela tem um showman na liderança e isso mexe muito com os papéis, gerando muita volatilidade. Em termos de indicadores, faz sentido o investimento em carros elétricos, mas, agora, o papel subiu muito e ficou caro”, afirma Gabriela.

O risco do Google

O Google, por sua vez, é visto por ambos como uma boa companhia, mas há um risco que sua receita com venda de mídia seja reduzida neste momento de desaceleração econômica, assim como a Amazon, que ainda enfrenta o impacto da inflação americana nas suas vendas. “As empresas que precisam de receita para crescer e para fechar a conta, como consumo como um todo, podem sofrer mais”, Lobão.

Dicas para investir em BDRs com sucesso

“Sempre é bom investir em tecnologia, mas em um momento de turbulência é preciso buscar uma gestão ativa, pois investir em tecnologia não é brincadeira. Análises rasas são arriscadas. As volatilidades dos papéis são grandes. É preciso diversificar para mitigar risco”, alerta Lobão. Veja algumas recomendações dos analistas:

  • Certifique-se de que o BDR em questão tem um bom volume diário de negociação. Assim você consegue comercializar o papel quando quiser, sem problemas;
  • Diversifique os setores investidos;
  • Pode parecer bobo, mas a máxima “compre na baixa e venda na alta” vale para os BDRs também;
  • Estude os especialistas e suas estratégias, e escolha aqueles que mais fazem sentido para você.

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h58
2 min
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período

6 min
Diogo Rodriguez Publicado em 16.maio.2022 às 17h04 Duração 1 min.
O que é investir? Basicamente, é emprestar dinheiro

A gente ouve falar muito em investimentos. Mas o que é investir? O que significa esse ato? Veja mais no Me Explica na IF

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h16
Estrangeiros já sacaram R$ 12,6 bilhões da Bolsa em maio

Movimento positivo no ano diminuiu para R$ 45,03 bilhões

1 min
Valor Econômico Publicado em 16.maio.2022 às 14h08
Análise: Fala de diretor do Banco Central reduz chance de juro acima de 13,25%

O ponto mais importante foi a indicação de que o Copom avalia duas alternativas para chegar à meta de inflação: subir os juros a um pico maior ou adiar o ciclo de baixa

6 min