Alta dos juros dispara valor das dívidas das empresas; saiba como isso atinge os minoritários

Dos R$ 250 bilhões de recursos captados no ano passado por emissões de debêntures, 76% estão atrelados ao CDI

Virando o jogo: você pode ser credor do governo e de empresas
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Custo mais alto não coloca em questão um risco de solvência para as companhias
  • Haverá uma redistribuição do resultado, que antes ia para o acionista, agora vai também para o credor

As empresas que acessaram o mercado de capitais para vender títulos de dívida em 2021 aproveitando o cenário de Selic baixa verão seus custos com despesas de juros quase dobrar em 2022.

Isso porque, dos R$ 250 bilhões de recursos captados no ano passado por emissões de debêntures, 76% estão atrelados ao CDI.

Esse custo mais alto ainda não coloca em questão um risco de solvência para as companhias, que, na maior parte dos casos, ainda exibem um nível de alavancagem baixo. Mas certamente afetará a rentabilidade das empresas, com efeito direto sobre o lucro e, consequentemente, sobre a capacidade de crescimento no médio prazo.

“O que o juro mais alto provoca é uma redistribuição do resultado, que antes ia para o acionista e, agora, vai também para o credor”, afirma o sócio da gestora de recursos JGP, Alexandre Muller.

O que você tem a ver com isso?

Você, minoritário e minoritária, tem muito a ver com isso. Com o aumento da dívida, a empresa terá seus resultados impactados. E, como bem explicou o sócio da JGP, a companhia vai colocar nessa conta o pagamento ao credor. Assim, a distribuição de dividendos e de juros sobre capital próprio deve ser recalculada.

Com reportagem do Valor Investe


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 19h54
Principais índices dos EUA estendem a série de semanas de ações no vermelho; o que esperar?

Todos os três índices terminaram a semana em queda de pelo menos 2,9%

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

Papo de Finanças Publicado em 20.maio.2022 às 17h09
Você confia no robô-investidor?

O robô investidor é um algoritmo que negocia ativos financeiros sozinho. Saiba como eles funcionam no Papo de Finanças

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 15h02
Vale a pena usar o FGTS para investir na Eletrobras? Conheça a resposta aqui

Aplicação no FGTS-Vale rendeu 2.233% desde 2002. Rendimento do Fundo foi bem menor, de 136% no período

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 14h27
Ação do Nubank cai quase 9%, mesmo após BTG ter elevado recomendação para ‘neutra’

Nubank agora tem um valor de mercado de US$ 19,9 bilhões, abaixo de Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil