Bolsa em queda: as recomendações para quem quer se defender com renda fixa

Quer se proteger da inflação e volatilidade? Veja essas dicas

CDBs, renda fixa, LCA, Tesouro Direto
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Aposte em títulos curtos
  • Títulos corrigidos por CDI ou Selic podem ser uma boa defesa
  • Para os mais corajosos, NTN-B é uma opção

Com o baque no mercado de renda variável nos últimos dias, muitos investidores podem pensar em concentrar seus recursos na renda fixa. O ciclo de alta da Selic, a taxa básica de juros, contribui para a atratividade de títulos públicos e de crédito privado. O foco está em construir uma defesa contra a inflação e o mau humor do mercado com o fiscal brasileiro.

“Depois da corrida para a Bolsa com taxas de juros menores, vemos novamente uma migração para a renda fixa com o ciclo mais propício para isso”, analisa Marcelo Mello, vice-presidente de Investimentos, Vida e Previdência da SulAmérica. As dicas de Mello e outros especialistas em renda fixa estão em títulos curtos e que acompanham a taxa básica de juros.

LFTs

Para o VP da SulAmérica, o melhor instrumento hoje em renda fixa são as Letras Financeiras do Tesouro Direto (LFTs). Quem escolhe esse investimento está, na prática, emprestando dinheiro para o governo, que devolve a grana com juros no vencimento estipulado.

As LTFs estão atreladas à Selic, a taxa básica de juros, o que significa que se a Selic sobe, a rentabilidade do seu investimento também sobe. Como o Banco Central está promovendo a alta dos juros para controlar a inflação, a taxa está em curva de alta. Segundo o Boletim Focus, o mercado financeiro espera uma Selic a 8,75% ao ano em 2022. Hoje, a taxa está em 6,25%. A notícia é boa para o dinheiro que está em LTFs, já que sua rentabilidade vai crescer.

O instrumento é indicado para reservas de emergência e alocações de curto prazo. As Letras têm um prêmio pré-fixado (Selic + 1%, por exemplo), mas se você precisar resgatar o dinheiro antes da hora terá apenas a rentabilidade corrigida pela Selic e vende o título pela precificação no mercado secundário. 

CDBs

Para o pequeno investidor, a opção ideal de Michael Viriato, fundador da Casa do Investidor, de agentes autônomos de investimento, são os CDBs. “É quase sem risco para quem investe menos de R$ 250 mil, já que está coberto pela garantia do FGC”, explica. Nessa modalidade, o investidor empresta dinheiro ao banco, que devolve o investimento corrigido por uma taxa de 110% a 150% do CDI, que anda muito perto da taxa Selic. É uma boa para quem quer surfar a onda da alta dos juros. 

Outra vantagem é que esses títulos não são marcados a mercado. Eles têm marcação na curva, o que significa que se o investidor precisar vender o título antes do vencimento, ele terá uma remuneração que cresce diariamente e não depende do valor que o mercado está colocando para o ativo naquele momento. Durante um cenário instável como o que vivemos, a marcação a mercado pode ser muito arriscada. 

Felipe Lima, gestor na FL Asset, acompanha Viriato e também recomenda o investimento em CDBs, mesmo de bancos pequenos. “O setor financeiro é resiliente, historicamente falando”, explica, quando fala sobre o risco de calotes. 

Debêntures 

Segue a mesma lógica dos CDBs, mas, neste caso, o investidor empresta seu dinheiro a empresas. As debêntures também são atreladas ao CDI, na maioria das vezes, quando não são marcadas pela própria Selic. Para Felipe Lima, é uma opção para “ter a menor exposição possível”. Esses ativos costumam ter menor liquidez que os títulos públicos os CDBs e, portanto, são mais arriscados. 

NTN-B

Para quem pode ou quer correr um pouco mais de risco em busca de mais rentabilidade, o VP da SulAmérica indica o investimento no Tesouro IPCA com juros semestrais (NTN-B). Nessa modalidade, o investidor empresta dinheiro para o governo em troca da correção do dinheiro pela inflação mais um prêmio no vencimento e juros semestrais, que dependem do título escolhido. É uma boa opção para quem não quer que seu dinheiro perca valor com a inflação voltando a assustar. 

Marcelo Mello alerta, porém, que esses títulos têm volatilidade maior. Quem planeja tirar o dinheiro da aplicação antes do vencimento pode ter surpresas, dependendo da precificação do mercado. Hoje, o vencimento mais perto de um título do Tesouro IPCA com juros semestrais é em 15 de agosto de 2030.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Glossário IF Publicado em 19.maio.2022 às 17h57 Duração 3 min.
O que é a Anbima?

Essa organização representa bancos, gestoras, corretoras, distribuidoras e administradoras

Anne Dias Publicado em 19.maio.2022 às 16h31
Dica do especialista: conheça os bastidores do nascimento do Plano Real

Muito do que vivemos hoje nasceu naquele período, mostra o livro Saga brasileira, de Miriam Leitão

Gustavo Zanfer Atualizado em 19.maio.2022 às 14h51
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 16h01
Dólar comercial renova mínima com fraqueza da moeda no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global