Mesada não tem contrapartida

Mesada não tem contrapartida (Educação Financeira 10)

Mesada não tem contrapartida. A mesada é uma ferramenta pedagógica. Deve ser utilizada como processo educacional para lidar com dinheiro. Não é presente. Não é recompensa. Não é prêmio. Não se deve vincular mesada à execução de trabalhos domésticos, boas notas na escola ou bom comportamento. Quando os pais cortam a mesada porque a criança não fez alguma tarefa determinada, estão agindo como se proibissem os filhos de ir à escola pelo mesmo motivo. Os pais precisam tem em mente que mesada é ferramenta educacional.

Além disso, se os pais condicionarem a mesada à realização de alguma atividade, seja ela qual for, a criança pode deixar de cumprir tal tarefa se em determinado mês não tiver necessidade dinheiro. Esse jogo é extremamente antipedagógico. Essa criança poderá se tornar um adulto que não permanece em emprego nenhum, porque foi treinado para trabalhar só quando precisa de dinheiro.
Lembre-se de que a mesada agrega outros aspectos da educação humana, como responsabilidade, ética e disciplina. A mesada é um investimento na educação financeira. Então, nada de contrapartidas!

Alguns pais se perguntam: “Mas, se meu filho quiser lavar o carro da família no final de semana, posso remunerar?”
Bem, há três coisas importantes a considerar sobre esse assunto:

1) Existem algumas tarefas e deveres que os filhos devem realizar, e que não podem ser remunerados, pois se referem à manutenção da saúde e formação pessoal: escovar os dentes, estudar e aprender, arrumar o próprio quarto, etc.

2) Outras tarefas têm a ver com a responsabilidade familiar e social, como ajudar nas tarefas domésticas (colocar a mesa, ajudar a lavar os pratos, deixar organizado ao ambiente familiar comum) e portar-se como um cidadão. Para essas tarefas também não deve haver recompensas financeiras, pois também se constituem em “regras de convivência social”.

3) Algumas tarefas podem ser remuneradas: lavar o carro dos pais, digitar um texto para a mãe no computador, etc. Remunerar esse tipo de atividade pode se constituir em excelente ferramenta de educação financeira e aprendizado profissional, especialmente se valores como qualidade, pontualidade e responsabilidade estão implícitos e forem cobrados nesse “contrato de prestação de serviços”.

© Nério Venson