Presentes

Presentes (Educação Financeira 4)

Alguns pais se sentem obrigados a presentear os filhos por qualquer coisa ou evento. E muitos têm a preocupação com o preço do presente, esquecendo que “preço” é apenas quanto se paga, enquanto “valor” envolve mais do que dinheiro.

Às vezes um passeio, um sorvete e um pouco de atenção tem muito mais valor para a criança do que presentes caríssimos. A não ser que tenham sido (mal) ensinadas, as crianças não têm por hábito valorizar as coisas pelo preço que se pagou.

Combine com seu filho quais serão os momentos em que ela vai receber presente: aniversário, Natal, dia das crianças. Você é quem decide. Mas não se atenha muito a essas ocasiões que viraram pérolas de campanhas consumistas.

Ensine também que os pais não são obrigados a dar presentes porque é Natal ou aniversário, ou porque “elas querem”. Tampouco são obrigados a dar presentes caros. Experimente na próxima oportunidade dar um presente diferente, dessas lojas de R$ 1,99. Se a criança chiar, você está tendo problemas. Aproveite para exercitar seu papel de educador financeiro. Mas vá devagar e ajuste a sua prática pedagógica.

Outra forma de promover a desvinculação entre eventos e presentes é dar pequenas lembranças em ocasiões que não sejam dessas “datas especiais”. Diga-lhe: “Vi esse brinquedo e resolvi comprar para você.” Isso ajuda a quebrar o vínculo entre presentes e Natal, Páscoa, dia das crianças… Será uma maravilha! Experimente.

© Nério Venson