Prioridades, planejamento e poupança

Prioridades, planejamento e poupança (Educação Financeira 2)

Considerando que nem sempre se tem dinheiro suficiente para satisfazer as necessidades no momento presente, as crianças e os adolescentes devem ser ensinados a priorizar e a fazer escolhas. E isso pode começar bem cedo, com atitudes simples como, por exemplo, escolher apenas um brinquedo entre vários que ela deseja, mesmo que os pais possam comprar todos. É provável que a criança faça várias trocas até decidir-se pelo que realmente vai levar para casa.

A partir dessa experiência, os pais podem introduzir a idéia do planejamento para realização dos sonhos. Que tal fazer uma lista de desejos e um plano de ação, que inclua datas e valores a serem poupados a fim de juntar dinheiro para comprar o que se deseja? Os pais podem, por exemplo, criar uma caixinha onde depositarão mensalmente (ou semanalmente) determinada quantia, a fim de criar um fundo para realização dos desejos da lista. Dependendo do valor, a idéia é abrir uma caderneta de poupança: assim as crianças terão a oportunidade de conhecer, de forma saudável, o universo bancário.

As crianças devem aprender a poupar desde cedo. É importante que ao receber algum dinheiro (de mesada ou de parentes e padrinhos), sejam orientadas a guardar uma parte para comprar ou fazer algo no futuro. É importante que esse futuro não esteja muito longe – dada a percepção limitada das crianças quanto ao tempo – para não desanimá-la quanto à satisfação de sua necessidade. O tempo de poupança pode variar de alguns dias a semanas ou meses, dependendo da idade da criança.

As crianças também devem ser orientadas sobre o cuidado que se deve ter com o dinheiro. Por exemplo: não amassar ou riscar as cédulas.

Além disso, as crianças devem aprender a cuidar dos recursos naturais, dos seus brinquedos e dos objetos que precisam de dinheiro para ser consertados ou repostos, dos prédios, monumentos, praças e outras obras públicas, que custam dinheiro do contribuinte. Está ai uma oportunidade de introduzir o conceito dos tributos e de sua função. Mas tenha o cuidado de colocar essas questões de forma positiva; deixe para o futuro as críticas que porventura você tenha sobre a carga tributária, má aplicação de tributos, etc.

© Nério Venson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *